Assassin's Creed Chronicles virou trilogia com episódios na China, Índia e Russia

01/04/2015 08:07 por Leandro Alves
Categorias                  

No final do ano passado quando a Ubisoft revelou o Assassin’s Creed Chronicles: China, ele seria apenas um jogo extra que seria parte do Season pass do Assassin's Creed Unity. Mas a empresa mudou de ideia e resolveu tornar o jogo uma trilogia.

Cada um dos jogos vai se passar numa época e local diferentes, cada um com seu próprio protagonista. Outra mudança em relação a série principal é que os jogos serão 2,5D, mas apesar disso será possível interagir com o cenário e se esconder quando necessário.

Screenshot do Assassin’s Creed Chronicles: China

Screenshot do Assassin’s Creed Chronicles: China

Screenshot do Assassin’s Creed Chronicles: China

Screenshot do Assassin’s Creed Chronicles: China

Screenshot do Assassin’s Creed Chronicles: China

O primeiro jogo será Assassin’s Creed Chronicles: China que se passa no ano de 1526, quando a dinastia Ming começa a cair. A protagonista se chama Shao Jun, e é a última Assassina na China, ela foi treinada pelo lendário Ezio Auditore.

O segundo episódio é o Assassin’s Creed Chronicles: India, que se passa em 1841 e seu protagonista é Arbaaz Mir, que já apareceu na HQ Brahman.

Finalmente o último jogo será Assassin’s Creed Chronicles: Russia, em 1918 e terá o russo Nikolai Orelov como protagonista, ele se destaca por usar armas de fogo.



O Assassin’s Creed Chronicles: China será lançado em de abril e custará R$ 29,90, quem comprou o Season pass do Assassin's Creed Unity poderá baixar o jogo gratuitamente.

Os outros jogos ainda não têm data de lançamento, mas todos eles terão legendas em português e versões para PC, PlayStation 4 e Xbox One.
Receba mais sobre "Assassin's Creed Chronicles virou trilogia com episódios na China, Índia e Russia" e outros assuntos interessantes gratuitamente no seu e-mail.
Não se esqueça de confirmar seu cadastro, basta clicar no link que será enviado para seu e-mail.
Ou se preferir você pode receber por RSS ou pelo Twitter.


Compartilhe a notícia: