[Análise] Wonder Boy: Asha in Monster World

25/06/2021 06:48 por Leandro Alves
Categorias           

Wonder Boy: Asha in Monster World

Wonder Boy: Asha in Monster World é um remake do clássico Monster World IV, lançado em 1994 para Mega Drive, é um excelente jogo mas que infelizmente é pouco conhecido por aqui, pois saiu exclusivamente no Japão. O remake acaba sendo uma maneira de conhecer esse clássico dos anos 1990, mas com um visual e mecânicas atualizadas. O melhor de tudo é que o remake foi feito pela equipe original que criou o jogo, o que garante um grande capricho e atenção aos detalhes.

No Brasil a série Wonder Boy/Monster World não é tão conhecida, pelo menos diretamente, afinal a Tec Toy usou alguns jogos da franquia como base para criar os clássicos jogos da Turma da Mônica para Master System e Mega Drive.

Análise de Wonder Boy: Asha in Monster World

A protagonista do jogo é Asha, uma jovem guerreira que deixa a vila em que mora e vai até a cidade de Rapadagna, onde ela deverá resgatar os quatro espíritos que garantiam a proteção do reino, mas acabaram sendo capturados.

Mas Asha não estará sozinha na sua missão, pois ela encontra um Pepelegoo azul, que vai ajudar muito Asha na sua missão. Para ter uma ideia, as habilidades de Asha são bem básicas, com pulo simples, ataque de espada e defesa com o escudo, mas com o Pepelegoo ela pode dar um pulo duplo, planar no ar, atingir interruptores inacessíveis, proteger de pedras, até servir de plataforma na lava. Durante o jogo o Pepelegoo evolui, aprende novas habilidades e até acaba perdendo algumas, isso é bem legal pois acaba inserindo novos elementos de jogabilidade e evita que o jogo se torne repetitivo.

Análise de Wonder Boy: Asha in Monster World

Rapadagna serve como um hub central no jogo, é para lá que Asha retorna após cada missão, realiza algumas tarefas simples e avança na história. Também é lá que ficam as lojas de armas, escudos e braceletes, que garantem upgrades importantes nas habilidades da protagonista. Outro item importante são os life drops, existem 150 espalhados pelo jogo, quando Asha coleta 10 ela recebe mais um coração e fica com mais energia.

Algumas vezes fiquei sem saber o que fazer na cidade, tive que conversar com todo mundo até conseguir achar o que faria a história progredir, porque em algumas situações você não recebe nenhuma dica do que fazer a seguir.

Análise de Wonder Boy: Asha in Monster World

O jogo possui poucos tipos de inimigos, mas mesmo assim ele acaba não sendo repetitivo. É que ao decorrer do jogo sempre aparecem novas mecânicas, sejam elas novas habilidades ou obstáculos, de uma forma ou outra o jogo sempre se reinventa e consegue se manter interessante.

Diferente do original, agora é possível salvar o jogo a qualquer momento, o que acaba facilitando bastante pois você acaba não tendo mais que repetir longos trechos do jogo quando morre.

Análise de Wonder Boy: Asha in Monster World

Os gráficos são em 2D com imagens limpas e coloridas, uma coisa legal é que apesar dos gráficos serem modernos eles mantêm a personalidade, quem joga o jogo clássico consegue identificar na hora todos os personagens. As animações também são excelentes, é bem legal durante o jogo ficar reparando nos detalhes.

Em alguns lugares Asha pode se movimentar em 3D, mas isso é algo que que não é muito intuitivo e acabei demorando um pouco para reparar, é que esses locais tem uma indicação no chão e demorei para reparar e entender o significado.

Um grande destaque é a trilha sonora, é uma versão remixada da trilha original, que acabou ficando excelente e contribui para o clima de nostalgia. Pela primeira vez os diálogos são dublados, mas infelizmente apenas em japonês, o que acaba não sendo tão interessante para quem não fala o idioma.

Análise de Wonder Boy: Asha in Monster World

Uma coisa que senti falta foi de ter algum conteúdo extra, seria interessante ter alguma fase extra ou novo modo de jogo, ou mesmo ter algum conteúdo com informações de bastidores, rascunhos e outras curiosidades.

Outra mancada é que o jogo original está incluso apenas para quem comprar a versão física, não custaria nada incluir ainda mais por ser um remake e por apostar tanto na nostalgia. O jogo original está traduzido para inglês e tem filtros para simular uma TV de tubo.

Análise de Wonder Boy: Asha in Monster World

Sem dúvidas Wonder Boy: Asha in Monster World consegue ser um ótimo jogo e um remake bem caprichado, ele tem as principais características legais dos jogos de 16 bits, mas com um visual moderno. Claro que tem alguns problemas como aspectos datados na jogabilidade, e pouca variedade de inimigos, mas isso não chega a ser um problema pois o jogo consegue se reinventar e continuar interessante.

Nota: 8/10 Bom

Ficha Técnica
Título: Wonder Boy: Asha in Monster World
Plataformas: Nintendo Switch, PC, e PlayStation 4.
Desenvolvedora: Artdink
Distribuidora: ININ Games

Pontos positivos:
- Lindos gráficos, quem vê não imagina que é o remake de um jogo de Mega Drive
- Trilha sonora
- Jogabilidade simples e divertida
- Vários elementos mudam durante o jogo, o que garante que ele sempre se renova

Pontos negativos:
- Em alguns momentos o jogador fica meio perdido sem saber o que fazer
- Alguns detalhes de jogabilidade são bem datados
- Não tem nenhum conteúdo extra


Receba mais sobre "[Análise] Wonder Boy: Asha in Monster World" e outros assuntos interessantes gratuitamente no seu e-mail.
Não se esqueça de confirmar seu cadastro, basta clicar no link que será enviado para seu e-mail.
Ou se preferir você pode receber por RSS ou pelo Twitter.


Compartilhe:



Leia também: