[Análise] Ultracore

28/07/2020 20:01 por Leandro Alves
Categorias           

Screenshot de Ultracore

Ultracore é um jogo estilo run and gun com um pouco de metroidvania, que à primeira vista pode parecer mais um jogo que aposta na nostalgia dos 16 bits, mas na verdade ele é um jogo dessa época que quase foi cancelado, por isso procure encarar como um jogo de Mega Drive e não um jogo moderno.

Originalmente o jogo se chamava Hardcore e estava sendo desenvolvido pela Digital Illusions (atualmente se chama DICE), para Amiga, Mega Drive, e Sega CD. Em 1994 quando estava quase terminado, a distribuidora Psygnosis cancelou o projeto, que ficou sendo esquecido por muito tempo. Poderia ser apenas mais um entre tantos jogos que já foram cancelados, mas felizmente a Strictly Limited Games comprou os direitos do Ultracore e conseguiu finalizar, lançando inicialmente junto com o Mega Sg (um console compatível com o Mega Drive) em março de 2019, mais recentemente também lançou para Nintendo Switch e PlayStation 4.

Screenshot de Ultracore

Assim como era comum nos jogos da década de 1990, o jogo é bem direto, a única opção que tem para selecionar é relacionado a música, de resto você aperta Start e já começa no jogo, sem tutoriais ou história, tem que aprender a se virar e rápido afinal o jogo não é nada fácil.

Ultracore possui cinco fases, que são relativamente longas e possuem subchefes e chefes no meio do caminho, é possível terminar o jogo em poucas horas, mas apenas se tiver habilidade para isso. Afinal o jogador possui cinco vidas e três continues, a única maneira de registrar o progresso é através de longos passwords, mas eles também registram suas vidas e continues, depois que acabam é game over.

Screenshot de Ultracore

A jogabilidade vai causar uma certa estranheza nos jogadores mais novos, afinal foi feito pensando num vídeogame com joystick muito mais simples que os atuais, e infelizmente os desenvolvedores não procuraram melhorar essa parte. Você movimenta o personagem apenas com o analógico esquerdo ou o direcional, eu particularmente gostei mais de usar o direcional, é possível correr e atirar para frente ou diagonais, ou ficar parado e conseguir atirar em qualquer direção. Mas o personagem possui uma boa agilidade, e a jogabilidade é bem rápida e divertida.

Você joga com um soldado de elite, que deve enfrentar um exército de robôs, basicamente atirando em tudo que ver pela frente. Mas em vários momentos você é obrigado a explorar melhor as fases, seja para achar um cartão de acesso, ou usar um terminal para destravar uma porta. Também é possível destruir algumas paredes e pisos, que geralmente escondem alguns itens interessantes, como munição extra, relógios (que aumentam o contador de tempo disponível para chegar no final da fase), vidas e moedas (cada 50 dão uma vida).

Screenshot de Ultracore

A arma principal possui tiros infinitos e uma boa cadência de tiro, mas durante as fases é possível achar algumas armas especiais, que são mais fortes mas possuem tiros limitados. Existem itens que aumentam a potência das armas, e também bombas que destroem todos os inimigos que estiverem perto.

A dificuldade de Ultracore é bem balanceada, mas você precisa ser cauteloso e aprender os ataques dos inimigos, para conseguir ir mais longe. Infelizmente o jogo não permite gravar o jogo, a única maneira de registrar o progresso é por passwords.

O visual é bem feito e detalhado (para um jogo de Mega Drive), com inimigos bem diferentes entre si, apesar de não ter muitos tipos, outro ponto positivo é que é o visual é muito claro sempre, sem confundir o jogador sobre para onde ir, ou o que é uma ameaça e o que não é. Geralmente não temos muitos inimigos na mesma tela, mas eles sempre vão para cima do protagonista.

Screenshot de Ultracore

Os chefes seguem a fórmula de ter um padrão de ataque definido, e apenas um ponto fraco, apesar de ser uma fórmula bem conhecida proporciona divertidas batalhas. Que são desafiadoras, acaba sendo muito fácil perder muitas vidas nesses confrontos.

A trilha sonora é muito boa e altamente nostálgica, permite escolher músicas em 16 bits ou com qualidade de CD, ambas são muito boas.

Ultracore é uma verdadeira relíquia dos anos 1990, que tivemos oportunidade de conhecer mesmo que tardiamente. Quem curte jogos da era 16 bits vai gostar bastante e se sentir bem à vontade, mas imagino que não vai agradar tanto quem não está acostumado ou não curte jogos dessa época. Achei que deveria ter opção de gravar o jogo ao invés de password, afinal nostalgia é legal mas nas partes boas, é bem chato anotar um longo password e depois se lembrar onde você anotou. Também acho que deveria ter mais opções, como escolher número de vidas ou dificuldade, seria uma mudança simples mas que tornaria o jogo acessível para mais pessoas.

Screenshot de Ultracore

Atualmente está disponível para Mega Drive, Nintendo Switch, PlayStation 4 e PlayStation Vita, a versão que avaliei foi a de Switch mas todas as versões são praticamente idênticas.

Nota: 7,0/10 Bom

Ficha Técnica
Título: Ultracore
Plataformas: Mega Drive, Nintendo Switch, PlayStation 4 e PlayStation Vita.
Desenvolvedora: Strictly Limited Games
Distribuidora: ININ Games

Pontos positivos:
- Desafio bem balanceado
- Jogabilidade rápida e divertida
- Muita nostalgia
- Divertidas batalhas com os chefes de fase

Pontos negativos:
- Não é um jogo para qualquer um, mais indicado para quem curte jogos de 16 bits - Não salva o jogo, utiliza apenas passwords - Possui pouca variedade de inimigos e cenários


Receba mais sobre "[Análise] Ultracore" e outros assuntos interessantes gratuitamente no seu e-mail.
Não se esqueça de confirmar seu cadastro, basta clicar no link que será enviado para seu e-mail.
Ou se preferir você pode receber por RSS ou pelo Twitter.


Compartilhe:



Leia também: