[Análise] Blazing Chrome

16/07/2019 18:08 por Leandro Alves
Categorias               

Blazing Chrome

Blazing Chrome é o mais recente lançamento do estúdio brasileiro JoyMasher, que anteriormente lançou os elogiados Oniken e Odallus: The Dark Call. O novo jogo é um Run’n’Gun, que se parece com um jogo de 16 bits e é fortemente inspirado na série Contra, em especial no Contra: Hard Corps.

Blazing Chrome

A história é simples e direta, mostra que no ano de 21XX um exército robótico controlado por uma inteligência artificial dominou o mundo, deixando a humanidade à beira da extinção. Os rebeldes recebem informações de uma importante central de energia dos robôs, e organizam uma missão suicida para destruí-la, enviando Mavra, uma soldado da resistência humana, e Doyle, um robô insurgente.

Blazing Chrome

A ação de Blazing Chrome é frenética, exatamente como se espera num bom jogo do gênero, desde o começo o jogador deve atirar em praticamente tudo o que se mexe na tela, os inimigos vêm de várias direções e muitas vezes costumam surpreender. Felizmente o jogador têm um bom poder de fogo, mesmo a arma inicial é muito boa, no total são quatro tipos de armas, que podem ser recolhidas no decorrer das fases e podem ser alternadas quando quiser. Também tem os drones que auxiliam o jogador, dependendo do tipo podem atacar, criar um escudo ou aumentar a velocidade.

Blazing Chrome

Em algumas fases os protagonistas podem usar um robô que funciona como uma armadura, e em outras uma moto voadora, o que garantem uma boa variedade de situações. Inclusive uma fase com a moto me lembrou do clássico Turbo Tunnel do Battletoads, por ter vários obstáculos que acabam exigindo precisão nos saltos.

A dificuldade é bem elevada, mas não dá para negar que é um jogo bem justo, não é raro começar uma fase e morrer logo em seguida, mas em poucas tentativas já vai melhorando e indo mais longe. Para tornar o jogo mais amigável, possui três dificuldades, que mudam o número de vidas e os itens que aparecem nas fases, além de ter as fases divididas em três checkpoints, e também possui continues infinitos e ainda grava o progresso. Ou seja, é difícil e desafiador como os jogos da época dos 16 bits, mas com vários recursos que evitam que o jogador fique muito tempo enroscado.

Blazing Chrome

A duração do jogo é bem curta para os padrões de hoje, mas ele segue a fórmula dos jogos mais antigos, em que você morria várias vezes para conseguir progredir. Mas mesmo depois de terminar compensa jogar mais vezes, pois são destravados dois novos personagens, além de um modo Boss Rush e um modo em que as fases são espelhadas, ou seja é um jogo para se terminar várias vezes.

Blazing Chrome

Blazing Chrome não é apenas uma homenagem aos jogos run and gun da geração 16 bits, com consegue ter personalidade própria, e até mesmo superar os jogos que serviram de inspiração. Atualmente está disponível para Nintendo Switch, PC, PlayStation 4 e Xbox One, a versão que avaliei foi a de PC numa cópia gentilmente cedida para avaliação.

Nota: 9/10 Ótimo

Ficha Técnica
Título: Blazing Chrome
Plataformas: Nintendo Switch, PC, PlayStation 4 e Xbox One.
Desenvolvedora: JoyMasher
Distribuidora: The Arcade Crew

Pontos positivos:
- Ação frenética do começo ao fim
- Belos gráficos pixelados e ótima trilha sonora
- Faz uma homenagem aos clássicos mas tem personalidade própria
- Apesar da dificuldade elevada, ele conta com checkpoints e continues infinitos que tornam o jogo mais acessível.
Pontos negativos:
- Jogo curto, principalmente se jogar na dificuldade fácil
- Pequenos bugs
- Possui apenas um final


Receba mais sobre "[Análise] Blazing Chrome" e outros assuntos interessantes gratuitamente no seu e-mail.
Não se esqueça de confirmar seu cadastro, basta clicar no link que será enviado para seu e-mail.
Ou se preferir você pode receber por RSS ou pelo Twitter.


Compartilhe a notícia: