[Análise] Crackdown 3 (Campanha)

01/03/2019 08:17 por Heber da Silva Moreira
Categorias         

Crackdown 3 é o último jogo da franquia Crackdown, que começou em 2007 com Crackdown sendo lançado pro Xbox 360, apesar de ter sido feito originalmente pro Xbox. Foi lançado no dia 15 deste mês pela Microsoft Studios, sendo exclusivo para Xbox One e Windows 10, e otimizado para Xbox One X. Também faz parte do Xbox Play Anywhere, permitindo você começar o jogo no Xbox One e continuar no Windows 10 e vice-versa.

Crackdown 3 Tela Inicial

O jogo começa com o agente Jaxon (interpretado pelo fantástico Terry Crews) sendo quase aniquilado por um ataque da TerraNova a sede da agência. Como é de se esperar , o objetivo do jogo é derrotar a corporação TerraNova, uma empresa que tomou conta da cidade Nova Providência, onde se passa o jogo.

Menu principal da campanha

Como mostra a imagem, o jogo possui 3 opções: Campanha Solo, pra você jogar sozinho; Cooperativa, que permite convidar um amigo, como mostra a imagem abaixo.

Convidar jogador modo cooperativo

E a Área de Demolição, que é um jogo separado da campanha (mas também incluído no pacote do Crackdown 3) possui dois modos multiplayer: Caçador de Agentes, que são times de 5 jogadores contra 5, e o modo de Conquista de Territórios, que parece ser mais interessante, onde cada time precisa derrotar o outro time enquanto os prédios e construções vão sendo destruídos.

No modo campanha, que é o assunto deste review, o jogo começa com a escolha do agente, sendo que alguns só serão desbloqueados durante a campanha, mas isso não é obrigatório.

Tela de escolha de agente

Como é mostrado na imagem, cada agente tem suas vantagens, como bônus de agilidade, armas explosivas, direção, etc. Após a escolha da agente, o jogo começa no HQ da Agência com um tutorial dos comandos disponíveis, como pular e atirar.

Início do jogo

No canto direito do jogo, são mostrada suas armas selecionadas, no início só tem uma arma, mas depois você pode carregar até 3 armas e um dispositivo auxiliar (como granadas e recuperação de saúde), que podem ser alteradas nos pontos de suprimento que você desbloqueia durante a campanha, como mostra as imagens abaixo.

Menu de armas do agente

Mapa dos pontos de suprimento

No canto esquerdo é mostrado o mini mapa, que mostra ícones como os inimigos e outras coisas parecidas de outros jogos como GTA. Por fim, os ícones da lateral esquerda mostram o nível das habilidades do agente, como direção, ataque físico, agilidade, e outros. Os níveis vão aumentando conforme você progride no jogo.

Menu das habilidades do agente

Os pontos de suprimentos também servem pra você se deslocar na cidade a qualquer momento, o que é muito útil pra fazer as missões que são espalhadas pela cidade.

Mapa das missões do jogo

Cada área da cidade é controlada por um chefe da TerraNova, os quais devem ser vencidos para a conclusão do jogo.

Alvos (chefes) do jogo

Essas áreas possuem missões diferentes de acordo com o chefe que controla aquela área, como destruir veículos, liberar reféns e destruir indústrias controladas pela TerraNova. Infelizmente essas missões são repetitivas, com pequenas alterações como alguns inimigos mais fortes, ou prédios mais altos, entre outras coisas.

O jogo possui também missões secundárias, que ajudam a evoluir as habilidades do agente e também permite a formação de soldados contra TerraNova, como nessas missões para desativar a propaganda do inimigo, como acontece em Just Cause 3, só que em pontos bem mais altos.

Torres de propaganda do jogo

Parecido com Saints’ Row IV, essas torres são bem altas o que requer pulos duplos e avanços frontais no ar (igual aqueles de Recore), além dos pulos precisos nas plataformas e desvios de obstáculos, como paredes de laser.

Apesar dos gráficos do jogo não serem realistas como em outros jogos, não acho que eles sejam tão ruins como muitas pessoas estão dizendo. O fato é que a maioria das missões se passa de noite onde a iluminação do jogo normalmente não ajuda, mas de dia é possível ver mais detalhes dos gráficos.

Gráficos do jogo durante o dia

Por fim, o jogo permite você usar veículos para se locomover, apesar que normalmente não são necessários pois você acaba usando os pontos de suprimentos para se locomover de um local para outro ou a própria movimentação do agente que costuma ser bem rápida conforme você evolui no jogo.

 Usando um veículo do jogo

O jogo também possui desafios de corridas a pé ou com veículos, mas que também não são obrigatórios para terminar a campanha, que infelizmente não é muito longa, eu terminei o jogo com 19h de gameplay (jogando no modo Agente que é o modo padrão/normal de dificuldade) mas fazendo várias missões secundárias que não eram obrigatórias, como essas das torres de propaganda e o desbloqueio de agentes para serem usados no jogo.

Enfim , apesar do jogo ter suas limitações como gráficos abaixos do esperado pro Xbox One (onde eu joguei) e uma campanha relativamente curta, além das missões serem bem repetitivas (o que vai cansando ao chegar perto do fim) eu achei ele bem divertido, apesar do preço de lançamento (R$200) estar acima do que o jogo oferece.

Para quem gosta de jogos desse estilo mais “Zorra Total”, como Sunset Overdrive e Saints’ Row, provavelmente vai se divertir com Crackdown 3. Se você não possui o Game Pass (que eu acho excelente, principalmente pra quem tem poucos jogos no One), eu recomendo esperar cair o preço do jogo pois no mesmo valor você pode adquirir 1 ou mais jogos mais interessantes.

Nota: 4/5 - Bom

Ficha Técnica
Título: Crackdown 3
Plataformas: Xbox One e PC.
Desenvolvedora: Sumo Digital
Distribuidora: Microsoft Studios


Receba mais sobre "[Análise] Crackdown 3 (Campanha)" e outros assuntos interessantes gratuitamente no seu e-mail.
Não se esqueça de confirmar seu cadastro, basta clicar no link que será enviado para seu e-mail.
Ou se preferir você pode receber por RSS ou pelo Twitter.


Compartilhe a notícia: