Chegamos a 4.000 jogos cadastrados no Jogorama

24/03/2010 14:02 por Leandro Alves
Categorias      

Hoje temos um bom motivo para comemorar, afinal acabamos de chegar a 4.000 jogos cadastrados no Jogorama. Sem dúvida é uma marca impressionante pois se levarmos em conta que o site têm pouco mais de sete anos e meio ou seja pouco mais de 2.754 dias o que quase um jogo e meio novo por dia.

Só por curiosidade o jogo de número 4.000 no Jogorama é o Motocross Championship do 32X, aliás o 32X é o mais novo console que está estreando hoje no Jogorama, e com ele já temos praticamente todos os consoles importantes da Sega aqui no site.

Os 4.000 jogos estão espalhados por 25 videogames e computadores. Atualmente a distribuição de jogos é a seguinte:



32X - 7 jogos
3DO - 27 jogos
Atari 2600 - 14 jogos
Dreamcast - 104 jogos
Game Boy - 93 jogos
Game Boy Advance - 202 jogos
Game Boy Color - 80 jogos
GameCube - 202 jogos
Master System - 94 jogos
Mega Drive - 233 jogos
MSX - 36 jogos
NES - 197 jogos
Nintendo 64 - 82 jogos
Nintendo DS - 231 jogos
PC - 457 jogos
Playstation - 211 jogos
Playstation 2 - 438 jogos
Playstation 3 - 176 jogos
PSP - 182 jogos
Saturn - 64 jogos
Sega CD - 16 jogos
Super Nintendo - 222 jogos
Wii - 203 jogos
Xbox - 217 jogos
Xbox 360 - 213 jogos

Dá para ver claramente que o PC e o Playstation 2 são os campeões de jogos cadastradas, e também os campeões de popularidade no Jogorama. Atualmente os videogames que mais preciso dar atenção são o Nintendo 64 que têm apenas 82 jogos cadastrados e Atari 2600 com apenas 14 jogos.

E já vou avisando que o próximo video game que será adicionado aqui será o NeoGeo. Alguém têm alguma sugestão de algum video game que ficou de fora?

Vale lembrar que um recurso legal do Jogorama são as listas de jogos, que permitem organizar facilmente os jogos que vocês já jogaram, estão jogando, que gosta, que não gostam, que têm, que querem comprar e que já terminaram. Para usar é muito fácil, basta fazer o login no site (no lado direito logo abaixo do logo) e depois navegue até a página do jogo que você quer adicionar, e finalmente para adicionar o jogo na lista basta clicar no seu respectivo ícone.



Nem preciso dizer que a ideia é ter cada vez mais jogos cadastrados aqui no Jogorama, e também tornar essas informações cada vez mais úteis. Se você tiver alguma boa ideia não deixe de compartilhar com a gente, quem sabe não dê para colocar em prática!


Receba mais sobre "Chegamos a 4.000 jogos cadastrados no Jogorama" e outros assuntos interessantes gratuitamente no seu e-mail.
E não se esqueça de confirmar seu cadastro clicando no link que irá para o seu e-mail.
Ou se preferir você pode receber por RSS ou pelo Twitter.


Compartilhe a notícia:
Enviar por Email   

Favoritos:
DeliciousDel.icio.us    GoogleGoogle Favoritos


37 Comentários

Por MASTER-X
Em 24/03/2010 17:01:44
Cadê o Link ?
Por Leandro Alves
Em 24/03/2010 17:04:54
Acabei de colocar, você foi rápido eu ainda estava publicando.
Por MASTER-X
Em 24/03/2010 17:12:33
Hehe... maus por nao ter esperado!

Gostei do gráfico, ficou bem simples de se entender
Por mat
Em 24/03/2010 17:43:58
Leandro Alves escreveu:
Acabei de colocar, você foi rápido eu ainda estava publicando.

quantas vezes eu já fiz isso

você poderia colocar a porcentegem tb se fosse possivel...

Eu nem reparei que tinha a opção "minhas listas" abaixo do resumo do jogo, pq falando a verdade, o que está no meus favoritos é o link do forum, eu já até tinha esquicido do portal ops:

essa opção é nova ? ou eu q to boiando mesmo ?
Por MASTER-X
Em 24/03/2010 18:04:51
Nossa, sempre que eu entro no jogorama, tá o portal ^^
Por lacmetal
Em 24/03/2010 18:23:01
Como posso colaborar com o cadastro de novos jogos? Envio por e-mail a capa e os dados do jogo?
Por Rakun
Em 24/03/2010 18:28:07
mat escreveu:
essa opção é nova ? ou eu q to boiando mesmo ?

Se não me engano está aí desde que o site mudou de nome
Por ruimar
Em 24/03/2010 20:14:10
Pensava que havia o iPhone mas estava enganado...
Não seria boa ideia adicionar?


Off-Topic: mat esse no avatar é o Kléber?
Por mat
Em 24/03/2010 21:33:18
ruimar escreveu:
Pensava que havia o iPhone mas estava enganado...
Não seria boa ideia adicionar?


Off-Topic: mat esse no avatar é o Kléber?


sim
Por Leandro Alves
Em 25/03/2010 07:21:24
lacmetal escreveu:
Como posso colaborar com o cadastro de novos jogos? Envio por e-mail a capa e os dados do jogo?

Por enquanto pode ser por email sim. Mas foi bom você falar, vou tomar vergonha e terminar um formulário para que qualquer usuário registrado possa incluir novos jogos, é claro que não é automático e vai cair numa fila de aprovação para evitar spam, mas já é um bom começo.
Por Leandro Alves
Em 25/03/2010 07:25:37
Rakun escreveu:
mat escreveu:
essa opção é nova ? ou eu q to boiando mesmo ?

Se não me engano está aí desde que o site mudou de nome


Exatamente, desde que o site mudou de nome. Mas acabei divulgando pouco até agora, vou procurar dar um pouco mais de destaque.
Por lacmetal
Em 25/03/2010 12:52:21
Leandro Alves escreveu:
lacmetal escreveu:
Como posso colaborar com o cadastro de novos jogos? Envio por e-mail a capa e os dados do jogo?

Por enquanto pode ser por email sim. Mas foi bom você falar, vou tomar vergonha e terminar um formulário para que qualquer usuário registrado possa incluir novos jogos, é claro que não é automático e vai cair numa fila de aprovação para evitar spam, mas já é um bom começo.


Excelente, vou ficar no aguardo (y)
Por Rodrigo Justi
Em 25/03/2010 16:49:27
e com ele já temos praticamente todos os consoles importantes da Sega aqui no site.
Site bom é que tem os consoles Sega mais importantes, fato. E o Mega Drive é o 3º console com mais dicas, antes vem PC e Playstation 2. Ou seja, fatality no Xbox 360, PSX, Xbox, e... SNES!!!

Fico feliz pelo avanço do site, e por ter colaborado com duas dicas.
Por lacmetal
Em 25/03/2010 17:06:14
Rodrigo Justi escreveu:
e com ele já temos praticamente todos os consoles importantes da Sega aqui no site.
Site bom é que tem os consoles Sega mais importantes, fato. E o Mega Drive é o 3º console com mais dicas, antes vem PC e Playstation 2. Ou seja, fatality no Xbox 360, PSX, Xbox, e... SNES!!!

Fico feliz pelo avanço do site, e por ter colaborado com duas dicas.


Assim que o formulário estiver pronto vou colaborar com o cadastro de novos jogos para SNES. Vale salientar que a infância e adolescência do Leandro foi jogando video-games da Sega, e como ele mesmo quem cuida dos cadastros, subentende-se que ele conheça mais jogos de Mega Drive do que do SNES.
Por MASTER-X
Em 25/03/2010 17:19:47
Para falar a verdade, nao entendi esse papo de jogos cadastrados

Poderiam me explicar para eu entender melhor? Posso até colaborar
Por Rakun
Em 25/03/2010 17:54:00
MASTER-X escreveu:
Para falar a verdade, nao entendi esse papo de jogos cadastrados

Poderiam me explicar para eu entender melhor? Posso até colaborar


São os jogos que tem dicas no site
Por MASTER-X
Em 25/03/2010 18:00:29
Hum... e onde fica esses jogos?
Por Rakun
Em 25/03/2010 18:08:23
MASTER-X escreveu:
Hum... e onde fica esses jogos?

No site Ali onde tem "Playstation, Xbox, Wii, entre outros...
Por MASTER-X
Em 25/03/2010 18:12:18
Ah baum... e colaboro fazendo o que?
Por Rodrigo Justi
Em 25/03/2010 20:02:10
lacmetal escreveu:
Rodrigo Justi escreveu:
e com ele já temos praticamente todos os consoles importantes da Sega aqui no site.
Site bom é que tem os consoles Sega mais importantes, fato. E o Mega Drive é o 3º console com mais dicas, antes vem PC e Playstation 2. Ou seja, fatality no Xbox 360, PSX, Xbox, e... SNES!!!

Fico feliz pelo avanço do site, e por ter colaborado com duas dicas.


Assim que o formulário estiver pronto vou colaborar com o cadastro de novos jogos para SNES. Vale salientar que a infância e adolescência do Leandro foi jogando video-games da Sega, e como ele mesmo quem cuida dos cadastros, subentende-se que ele conheça mais jogos de Mega Drive do que do SNES.


Ou seja, ele teve uma infância e adolescência sábia e feliz!
Mas eu também tenho várias dicas de Mega quardadas, logo logo postarei muitas dicas. Espero que todas sejam publicadas. :mrgreen:
Por lacmetal
Em 25/03/2010 20:42:49
Rodrigo Justi escreveu:
Ou seja, ele teve uma infância e adolescência sábia e feliz!
Mas eu também tenho várias dicas de Mega quardadas, logo logo postarei muitas dicas. Espero que todas sejam publicadas. :mrgreen:


Eu quase nunca joguei nada de Mega Drive e nem nada da Sega, mas não sou um anti-sega. Passei a infãncia toda jogando em consoles Nintendo, e tenho certeza que não foi menos sábia e feliz do que a de algum seguista, nem mais. Não são os fãs que decidem qual era a melhor, são os números, vide link abaixo. Os fanáticos sempre tentam puxar a sardinha pro seu lado, por isso eu defendo com unhas e dentes meu querido e saudoso SNES.

http://www.google.com/trends?q=SNES%2C+mega+drive%2C+sega+genesis&ctab=0&geo=all&date=all&sort=0
Por Arthur Pacheco
Em 25/03/2010 23:26:30
PC FTW!
Bom trabalho Leandro, continue administrando com firmeza que melhoraremos ainda mais!
A, se minha dica fosse pro site, ajudaria o SNES.
Por Rodrigo Justi
Em 26/03/2010 17:04:41
lacmetal escreveu:
Rodrigo Justi escreveu:
Ou seja, ele teve uma infância e adolescência sábia e feliz!
Mas eu também tenho várias dicas de Mega quardadas, logo logo postarei muitas dicas. Espero que todas sejam publicadas. :mrgreen:


Eu quase nunca joguei nada de Mega Drive e nem nada da Sega, mas não sou um anti-sega. Passei a infãncia toda jogando em consoles Nintendo, e tenho certeza que não foi menos sábia e feliz do que a de algum seguista, nem mais. Não são os fãs que decidem qual era a melhor, são os números, vide link abaixo. Os fanáticos sempre tentam puxar a sardinha pro seu lado, por isso eu defendo com unhas e dentes meu querido e saudoso SNES.

http://www.google.com/trends?q=SNES%2C+mega+drive%2C+sega+genesis&ctab=0&geo=all&date=all&sort=0

Eu também defendo com unhas e dentes e força física o fantástico Mega Drive, mas não sou anti-Nintendo. Muitos jogos como F-Zero, Super Mario e Top Gear ainda não saem da minha cabeça. Os números são irrelevantes, já que a Nintendo colocou o SNES no mercado em 1991 e segurou até meados de 1997, por isso as gerações mais novas (e grande parte das antigas) o conhecem, já o Mega Drive foi colocado de lado em 1994 com o lançamento do Saturn. Por isso esses números que você colocou aí não tem nenhum fundamento sólido.

E já não fazem mais nenhum jogo para SNES, no caso do Mega ainda temos jogos que estão para sair, mesmo não sendo oficiais.
Por lacmetal
Em 26/03/2010 17:40:41
Rodrigo Justi escreveu:
Eu também defendo com unhas e dentes e força física o fantástico Mega Drive, mas não sou anti-Nintendo. Muitos jogos como F-Zero, Super Mario e Top Gear ainda não saem da minha cabeça. Os números são irrelevantes, já que a Nintendo colocou o SNES no mercado em 1991 e segurou até meados de 1997, por isso as gerações mais novas (e grande parte das antigas) o conhecem, já o Mega Drive foi colocado de lado em 1994 com o lançamento do Saturn. Por isso esses números que você colocou aí não tem nenhum fundamento sólido.

E já não fazem mais nenhum jogo para SNES, no caso do Mega ainda temos jogos que estão para sair, mesmo não sendo oficiais.


Até o lançamento do Super Nintendo, o Mega Drive competia de igual para igual com o Nintendinho, o Super Nintendo veio depois derrubando tudo que veio pela frente, só perdeu espaço para o PlayStation, e se mesmo assim continuou vivo até 97, é por competência da Nintendo e pelo apoio dos fãs que custaram para abandoná-lo e migrar para a era 3D. A grande maioria dos seguidores da Sony são os que migraram do Mega Drive para o PlayStation, preferiram não investir no Saturn ou no Mega/CD ou no 32x.
Quanto a fãs lançarem jogos para Mega de vez em quando faz sentido, afinal, quando a Sega lançou o Mega Drive, todos tinham apenas Nintendinho, Atari ou MSX, ou outro da época. O Mega Drive tinha gráficos melhores que os deles, e os gamers da época migraram para a Sega e viraram fãs do Sonic. Como apenas 3 anos depois o Super Nintendo foi lançado, e dividindo águas entre os empolgados com uma tecnologia mais potente e os conservadores, os conservadores seguiram fiéis à Sega, só que a viram quase fechar no meio da década de 90 e ainda tentam manter a memória dela, afinal o Mega Drive foi sem dúvida o melhor console lançado por ela. É até bonito da parte deles. Os fãs do Super Nintendo não vêm essa necessidade de manter a memória do console porque além dele ter marcado época na década de 90, tudo que deveria ser lançado para ele já foi lançado, ele não ficou devendo nada, o que poderia ter sido lançado foi lançado mais tarde em uma versão melhorada para o Nintendo 64 ou para o Game Boy Advance.
Por Rodrigo Justi
Em 27/03/2010 18:16:42
lacmetal escreveu:
Até o lançamento do Super Nintendo, o Mega Drive competia de igual para igual com o Nintendinho, o Super Nintendo veio depois derrubando tudo que veio pela frente, só perdeu espaço para o PlayStation, e se mesmo assim continuou vivo até 97, é por competência da Nintendo e pelo apoio dos fãs que custaram para abandoná-lo e migrar para a era 3D. A grande maioria dos seguidores da Sony são os que migraram do Mega Drive para o PlayStation, preferiram não investir no Saturn ou no Mega/CD ou no 32x.
Quanto a fãs lançarem jogos para Mega de vez em quando faz sentido, afinal, quando a Sega lançou o Mega Drive, todos tinham apenas Nintendinho, Atari ou MSX, ou outro da época. O Mega Drive tinha gráficos melhores que os deles, e os gamers da época migraram para a Sega e viraram fãs do Sonic. Como apenas 3 anos depois o Super Nintendo foi lançado, e dividindo águas entre os empolgados com uma tecnologia mais potente e os conservadores, os conservadores seguiram fiéis à Sega, só que a viram quase fechar no meio da década de 90 e ainda tentam manter a memória dela, afinal o Mega Drive foi sem dúvida o melhor console lançado por ela. É até bonito da parte deles. Os fãs do Super Nintendo não vêm essa necessidade de manter a memória do console porque além dele ter marcado época na década de 90, tudo que deveria ser lançado para ele já foi lançado, ele não ficou devendo nada, o que poderia ter sido lançado foi lançado mais tarde em uma versão melhorada para o Nintendo 64 ou para o Game Boy Advance.

O NES somente teve potência por causa de Mario, Metroid e Zelda. Não podemos comparar um sistema inferior a um sistema superior. E somente naquela época não se dava importância aos gráficos, dado fato que o Master System que era muito superior em gráficos, não fez muito sucesso. Quando lançaram o Super Nintendo, começou a se dar valor apenas em gráficos. E isso perdura até hoje, onde somente jogos com gráficos bons perduram.
O Super Nintendo tinha mais potência em gráficos, mas o Mega Drive tinha muito menos jogo ruim. Os jogos do Mega sempre foram mais superiores, tanto em jogabilidade como em diversão. Enquanto que o SNES tinha muita conversão de jogo ruim, e dezenas de clones, outros gráficos meigos e outras coisas ruins, o Mega tinha muito menos jogo ruim e muito mais clássicos, como Castle of Illusion, Altered Beast, Phantasy Star, After Burner e demais supremacias. O Super Nintendo teve o que? Zelda? Metroid? Top Gear foi muito mal aproveitado, era um jogaço, as musiquinhas eram muito legais. Tinha gráficos legais? Não. O som irritava os ouvidos. Mas era legal. Mesmo tendo quatro musiquinhas, era legal de zerar.Mario tinha gráficos piores do que muito jogo de Master System, e era jogo bom. Mas e as outras coisas que tinham apenas gráficos? Agora a Nintendo aprendeu a verdade, e lançou o Wii, com gráficos ruins, mas com jogos bem divertidos.
Por Rodrigo Justi
Em 28/03/2010 17:22:08
Steam Baron escreveu:
Rodrigo Justi escreveu:
Enquanto que o SNES tinha muita conversão de jogo ruim, e dezenas de clones, outros gráficos meigos e outras coisas ruins, o Mega tinha muito menos jogo ruim e muito mais clássicos, como Castle of Illusion, Altered Beast, Phantasy Star, After Burner e demais supremacias.
Alguém aqui andou indo no Baú de Jogos?

Eu já visitei bastante esse site, mas agora me toquei que o texto ficou muito igual. Agora tem uma parte lá que é bem interessante, mas contém linguagem inadequada, então não pode postar aqui.
Por lacmetal
Em 29/03/2010 13:46:27
Discordo de tudo o que você falou, tudo mesmo. Não tem como considerar esses argumentos válidos porque isso tudo que você disse é opinião pessoal de um seguista que se nega a enxergar o que até cego já viu.

Então vamos por partes:

Rodrigo Justi escreveu:
O NES somente teve potência por causa de Mario, Metroid e Zelda.
O NES foi sucesso não somente com a potência de Mario Bros., Metroid e Zelda, que são jogos da própria Nintendo, esse console é até hoje ícone porque teve Final Fantasy I e II (Squaresoft), Contra I, II e III (Konami), Castlevania I, II e III (Konami), Spelunker (Irem), Blaster Master (SunSoft), Metal Gear (Konami), Kirby's Adventure (Nintendo), MegaMan 1, 2, 3, 4, 5 e 6 (Capcom), Prince of Persia (Virgin), Choplifter (Jaleco), Bomberman (Hudson), Bubble Bobble (Taito), Teenage Mutant Ninja Turtles (Konami), Double Dragon I e II (Tradewest), Excitebike (Nintendo), Ninja Gaiden I, II e III (Tecmo), Bionic Commando (Capcom), R.C. Pro-Am(Rare), entre outros, vários outros.

Rodrigo Justi escreveu:
Não podemos comparar um sistema inferior a um sistema superior.
Sim podemos, o NES passou três anos fazendo queda de braço com o Mega Drive e não apanhou, seguiu firme até ser substituído pelo SNES. O 3DO era melhor que o Mega Drive e o SNES, mas não fez tanto sucesso. O Jaguar era melhor que o Mega Drive, não vingou, o Game Gear era melhor que o Game Boy, padeceu. O Nintendo 64 era melhor que o PlayStation, foi surrado... O 360 e o PS3 são melhores que o Wii, e estão perdendo mercado para ele.

Rodrigo Justi escreveu:
E somente naquela época não se dava importância aos gráficos, dado fato que o Master System que era muito superior em gráficos, não fez muito sucesso. Quando lançaram o Super Nintendo, começou a se dar valor apenas em gráficos. E isso perdura até hoje, onde somente jogos com gráficos bons perduram.
Não somente naquela época, o NES foi abandonado por muitos porque o Mega tinha melhores gráficos. Quanto ao SNES ter gráficos melhores não vem muito ao caso, o Super Mario World teve gráficos infinatamente inferiores aos dos Sonic’s de Mega Drive e vendeu bem mais e, ao meu ver, teve mais sucesso. Sem falar que a grande maioria dos jogos de belos gráficos do SNES não eram ruins, eram excelentes, vide a série Donkey Kong, os Mortal Kombats, que apesar da censura no primeiro, tinha gráficos quase fiéis aos dos arcades isso foi dito pelo próprio John Tobias, vide também Chrono Trigger, Bahamoot Lagoon, Killer Instinct, Ken Griffey Jr.'s Winning Run, Final Fantasy III, Terranigma, Tales of Phantasia, Prince of Persia, Nosferatu, Blackthorne, Out of This World, Flash Back...

Rodrigo Justi escreveu:
O Super Nintendo tinha mais potência em gráficos, mas o Mega Drive tinha muito menos jogo ruim. Os jogos do Mega sempre foram mais superiores, tanto em jogabilidade como em diversão.
Aí já é uma opinião particular minha, mas acho a jogabilidade de Mega Drive horrível, o Almeida me indicou a série Road Rash e eu achei as motos horríveis de controlar, a série Streets of Rage não supera nenhum Final Fight em jogabilidade. E jogos ruins não era somente o SNES que sofria desse mal, baixei um pacotão de roms para o Kega e pouco aproveitei daquilo tudo, acho que só gostei daquele X-Men, feito pela Sega.

Rodrigo Justi escreveu:
Enquanto que o SNES tinha muita conversão de jogo ruim, e dezenas de clones, outros gráficos meigos e outras coisas ruins, o Mega tinha muito menos jogo ruim e muito mais clássicos, como Castle of Illusion, Altered Beast, Phantasy Star, After Burner e demais supremacias. O Super Nintendo teve o que? Zelda? Metroid? Top Gear foi muito mal aproveitado, era um jogaço, as musiquinhas eram muito legais. Tinha gráficos legais? Não. O som irritava os ouvidos. Mas era legal.
Respeito os títulos do Mega, não joguei muito esses mencionados, somente o Altered Beast e After Burner, mas somente as versões de arcade, creio que no mega sejam inferiores. Mas permita-me discordar que o Super Nintendo não teve clássicos, vou citar alguns que não foram feitos pela Nintendo: Final Fantasy III (Squaresoft), Metal Warriors (Konami), Série Dragon Quest (Enix), Sunset Riders (Konami), Side Pocket (Data East), Desert Strike (EA), Castlevania: Drácula X (Konami), Trilogia Star Wars (LucasArts), BlackThorne (Blizzard), NBA Jam (Acclaim), Super Castlevania IV (Konami), International Superstar Soccer (Konami), série Final Fight (Capcom), Zombies Ate My Neighbors (LucasArts), série Top Gear (Kemco), Goof Troop (Capcom), série Donkey Kong (Rare), Chrono Trigger (Squaresoft), Rock n Roll Racing (Blizzard), Nosferatu (Seta), Killer Instinct (Rare), Secret of Mana (Squaresoft), série Megaman X (Capcom), Lost Vikings (Blizzard), Harvest Moon (Natsume), série Super Bomberman (Hudson), Secret of Evermore (Squaresoft), Breath of Fire I e II (Capcom), Star Ocean (Enix), Illusion of Gaia (Quintet), Clock Tower (Human), entre outros, muitos outros.
E claro, como os que você citou como clássicos são da própria Sega, vou citar os clássicos feitos pela Nintendo: Série Kirky’s, EarthBound, Super Mario Kart, Super Mario World 2: Yoshi's Island, Mario Paint, Tetris Attack, The Legend of Zelda: A Link to the Past, Super Mario World, Super Metroid, Super Mario RPG: Legend of the Seven Stars, Super Punch-Out!!, Star Fox, SimCity, Pilotwings, Battle Clash, entre outras “supremacias”.

Rodrigo Justi escreveu:
Mario tinha gráficos piores do que muito jogo de Master System, e era jogo bom. Mas e as outras coisas que tinham apenas gráficos? Agora a Nintendo aprendeu a verdade, e lançou o Wii, com gráficos ruins, mas com jogos bem divertidos.
Quanto aos gráficos do Mário eu até já falei disso, e sobre o Wii ter jogos divertidos... cara você tem noção do que está dizendo? O Wii é o vídeo-game campeão de jogos toscos e ruins, o próprio Leandro já falou isso uma dia desses...
E outra coisa para finalizar, o Super Nintendo não ganhava apenas nos gráficos, os chip de som era capaz de reproduzir uma orquestra, pode ver na abertura de Tales of Phantasia, que tem quase dois minutos e além de ser orquestrada é toda cantada. A única coisa que o Mega levava vantagem era na falta de censura, tinha jogos mais hardcores, mas isso não faz de mim, fã de SNES, menos macho que algum seguista, e o processador, que era mais rápido. Os demais argumentos quanto à bons jogos e clássicos e já matei. Espero que essa guerra de 1000 dias acabe em breve.
Por Rodrigo Justi
Em 30/03/2010 17:06:19
lacmetal escreveu:
Discordo de tudo o que você falou, tudo mesmo. Não tem como considerar esses argumentos válidos porque isso tudo que você disse é opinião pessoal de um seguista que se nega a enxergar o que até cego já viu.
Está ficando nervoso. Eu não sou cego, pois pra mim, como sempre disse, dos videogames que a Nintendo lançou sempre gostei de NES e Nintendo 64. Porém, de outros não tem como se gostar. Suas opniões são ainda mais cegas que as minhas, leia com atenção.

Então vamos por partes:

lacmetal escreveu:
O NES foi sucesso não somente com a potência de Mario Bros., Metroid e Zelda, que são jogos da própria Nintendo, esse console é até hoje ícone porque teve Final Fantasy I e II (Squaresoft), Contra I, II e III (Konami), Castlevania I, II e III (Konami), Spelunker (Irem), Blaster Master (SunSoft), Metal Gear (Konami), Kirby's Adventure (Nintendo), MegaMan 1, 2, 3, 4, 5 e 6 (Capcom), Prince of Persia (Virgin), Choplifter (Jaleco), Bomberman (Hudson), Bubble Bobble (Taito), Teenage Mutant Ninja Turtles (Konami), Double Dragon I e II (Tradewest), Excitebike (Nintendo), Ninja Gaiden I, II e III (Tecmo), Bionic Commando (Capcom), R.C. Pro-Am(Rare), entre outros, vários outros.
Todos os jogos que você citou acima foram feitos por outras software-houses, exceto Kirby Adventure e Excite Bike. Se eu for começar a citar games de outras profutoras em minha lista, em que no Mega ficou bem melhor do que no Snes, não caberia aqui. Castle of Illusion, After Burner, Altered Beast e os outros jogos que eu citei são todos da Sega, produzidos e distribuídos, a maioria originalmente em arcade, e no Mega eram conversões puras de arcade, e não clones de outros jogos.

lacmetal escreveu:
Sim podemos, o NES passou três anos fazendo queda de braço com o Mega Drive e não apanhou, seguiu firme até ser substituído pelo SNES. O 3DO era melhor que o Mega Drive e o SNES, mas não fez tanto sucesso. O Jaguar era melhor que o Mega Drive, não vingou, o Game Gear era melhor que o Game Boy, padeceu. O Nintendo 64 era melhor que o PlayStation, foi surrado... O 360 e o PS3 são melhores que o Wii, e estão perdendo mercado para ele.
Isso é questão de marketing. E como você mesmo disse: "Os fãs do [NES] não se deram ao trabalho de considerar a superioridade do console da [Sega]". Você disse quase isso, verifique seus posts anteriores.

lacmetal escreveu:
Não somente naquela época, o NES foi abandonado por muitos porque o Mega tinha melhores gráficos. Quanto ao SNES ter gráficos melhores não vem muito ao caso, o Super Mario World teve gráficos infinatamente inferiores aos dos Sonic’s de Mega Drive e vendeu bem mais e, ao meu ver, teve mais sucesso. Sem falar que a grande maioria dos jogos de belos gráficos do SNES não eram ruins, eram excelentes, vide a série Donkey Kong, os Mortal Kombats, que apesar da censura no primeiro, tinha gráficos quase fiéis aos dos arcades isso foi dito pelo próprio John Tobias, vide também Chrono Trigger, Bahamoot Lagoon, Killer Instinct, Ken Griffey Jr.'s Winning Run, Final Fantasy III, Terranigma, Tales of Phantasia, Prince of Persia, Nosferatu, Blackthorne, Out of This World, Flash Back....
Por isso que eu digo que os games perderam a nostalgia, só se fala em gráfisos. Super Mario World não tem bons gráficos, nunca aproveitou bem a tecnologia 16-bits, dado fato de Donkey Kong é quase da mesma época e tem gráficos muito superiores. E muitos dos outros jogos aí de sua lista tem versões pra outros consoles, e nem sempre os lançados pro SNES são melhores.

lacmetal escreveu:
Aí já é uma opinião particular minha, mas acho a jogabilidade de Mega Drive horrível, o Almeida me indicou a série Road Rash e eu achei as motos horríveis de controlar, a série Streets of Rage não supera nenhum Final Fight em jogabilidade. E jogos ruins não era somente o SNES que sofria desse mal, baixei um pacotão de roms para o Kega e pouco aproveitei daquilo tudo, acho que só gostei daquele X-Men, feito pela Sega.
O primeiro controle, de 3 botões, era horrível. Tente experimentar o segundo, de 6 botões. No meu caso, o único game que salva no SNES que aproveito, é o Top Gear. E que a Nintendo não aproveitou e fez uma vergonhosa versão pro N64 e parou aí.

lacmetal escreveu:
E claro, como os que você citou como clássicos são da própria Sega, vou citar os clássicos feitos pela Nintendo: Série Kirky’s, EarthBound, Super Mario Kart, Super Mario World 2: Yoshi's Island, Mario Paint, Tetris Attack, The Legend of Zelda: A Link to the Past, Super Mario World, Super Metroid, Super Mario RPG: Legend of the Seven Stars, Super Punch-Out!!, Star Fox, SimCity, Pilotwings, Battle Clash, entre outras “supremacias”.
Alguns desses jogos são bons, porém nem todos tem o patamar de clássico. Talvez Zelda, Metroid e os jogos do Mario, o resto foi praticamente esquecido pela Nintendo.

lacmetal escreveu:
O Wii é o vídeo-game campeão de jogos toscos e ruins, o próprio Leandro já falou isso uma dia desses...
E outra coisa para finalizar, o Super Nintendo não ganhava apenas nos gráficos, os chip de som era capaz de reproduzir uma orquestra, pode ver na abertura de Tales of Phantasia, que tem quase dois minutos e além de ser orquestrada é toda cantada. A única coisa que o Mega levava vantagem era na falta de censura, tinha jogos mais hardcores, mas isso não faz de mim, fã de SNES, menos macho que algum seguista, e o processador, que era mais rápido. Os demais argumentos quanto à bons jogos e clássicos e já matei. Espero que essa guerra de 1000 dias acabe em breve.

O Wii tem jogos feitos pela Nintendo muito legais, como o Wii Sports e outros do gênero, agora como quase não tem jogos de tiro e luta, ou violentos, não agrada a muitos. Muitos jogos do SNES tem bom som, mas não se comparam aos jogos do Mega, que dá pra notar vários instrumentos ao mesmo tempo. Sonic 3 mesmo é um claro exemplo disso. Sonic CD tem músicas (e vozes!) diferentes para o modo Past e Future, fora o Normal, de cada fase. O processsador do SNES era mais rápido?! Tem certeza??? Pesquisou bem antes de dizer isso. Verifique a Wikipedia. O SNES tinha versões de 1,79 a 3,58 MHz, o Mega rodava em 7,67 MHz (Blast Processing!) e é exatamente isso que me chama a atenção no Mega. Um único Spindash do Sonic feito no SNES daria um slowdown interminável num processador da capacidade da metade do Mega. E outra coisa que admiro na Sega na criação do Mega eram a personalização. Ao todo, podemos ter mais de 12 versões oficiais, entre elas CDX, Nomad e similares. E o SNES teve apenas uma ou duas.

E... eu não estou em guerra. Muito pelo contrário. Na verdade, na briga entre o SNES e o Mega, o SNES é o primeiro... a amarelar!
Por lacmetal
Em 30/03/2010 19:46:22
Rodrigo Justi escreveu:
Está ficando nervoso. Eu não sou cego, pois pra mim, como sempre disse, dos videogames que a Nintendo lançou sempre gostei de NES e Nintendo 64. Porém, de outros não tem como se gostar. Suas opniões são ainda mais cegas que as minhas, leia com atenção.
Não, não queria que soasse como nervosismo, só não consigo acreditar quando o que falo é deturpado desse jeito, porque não é possível considerar que o SNES não teve clássicos e só teve jogos ruins, isso só acontece com quem quase nunca jogou no SNES e quando jogou deu azar de pegar alguma podrera que console nenhum está livre.

Rodrigo Justi escreveu:
Todos os jogos que você citou acima foram feitos por outras software-houses, exceto Kirby Adventure e Excite Bike. Se eu for começar a citar games de outras profutoras em minha lista, em que no Mega ficou bem melhor do que no Snes, não caberia aqui. Castle of Illusion, After Burner, Altered Beast e os outros jogos que eu citei são todos da Sega, produzidos e distribuídos, a maioria originalmente em arcade, e no Mega eram conversões puras de arcade, e não clones de outros jogos.
Antes de lançar seus consoles domésticos a Sega produzia arcades, então é natural que suas conversões fossem puras. A Nintendo parou de lançar arcades para centrar o foco no NES e SNES, então os jogos dela iam direto para os consoles. E jogos clonados? Não sei bem de casos para o Super Nintendo, sei de alguns para os consoles da Sega, tipo aquele do Chapolin, ou o da Turma da Mônica... E se os jogos de outras produtoras ficaram bem melhores no Mega Drive, só pode ser porque a Nintendo os censurou, não tem outra explicação, porque o Mega tinha gráficos e sons muito ruins.

Rodrigo Justi escreveu:
Isso é questão de marketing. E como você mesmo disse: "Os fãs do [NES] não se deram ao trabalho de considerar a superioridade do console da [Sega]". Você disse quase isso, verifique seus posts anteriores.
Na verdade, o marketing que existia naquela época era a propaganda boca-a-boca, isto é, uma criança joga um jogo de NES na casa de um amigo, pede um NES pro pai, conhece mais jogos, empresta para um amigo, que convida outro pra jogar, que compra cartuchos novos, que troca os cartuchos com outro e assim ia. Porque o marketing não te faz consumir algo ruim te fazendo achar bom, se é bom é porque é bom mesmo. Tipo o Nintendo Wii e o DS, são inferiores, mas não creio que seja o Marketing que os faça vender mais, eles vendem porque são legais, assim como o NES era.

Rodrigo Justi escreveu:
Por isso que eu digo que os games perderam a nostalgia, só se fala em gráfisos. Super Mario World não tem bons gráficos, nunca aproveitou bem a tecnologia 16-bits, dado fato de Donkey Kong é quase da mesma época e tem gráficos muito superiores.
Gráficos sempre foram importantes, o problema é que hoje em dia virou obsessão, se um jogo não beirar o realismo, pessoas nem se interessam por ele... Mas na era 16-bits os gráficos bons eram aqueles limpos e nítidos, onde os personagens era bem animados e com bastante sprites de movimentação. Para você ter uma idéia de como eram importantes, a Nintendo já tinha pronta a seqüência de Super Mario World, que seguiria o mesmo contexto do anterior, só que devido ao grande sucesso da série Donkey Kong, a Nintendo reformulou todinha a parte gráfica e o enredo, assim surgiu o Yoshi’s Island, que precisou até mesmo usar a tecnologia dos chips FX.

Rodrigo Justi escreveu:
E muitos dos outros jogos aí de sua lista tem versões pra outros consoles, e nem sempre os lançados pro SNES são melhores.
Essa é uma das minhas teorias sobre as únicas vantagem do Mega sobre o SNES, para explicar vou usar o jogo Mortal Kombat. A versão de SNES foi a mais fiel ao arcade, os gráficos e os sons ficaram incríveis na adaptação, mas a Nintendo censurou o jogo inteiro, mandou tirarem toda a violência e o sangue do jogo. A versão do Mega tinha gráficos inferiores aos do SNES e mais inferiores ainda em relação aos arcades. Mas por que vendeu mais e teve mais sucesso? Porque a Sega liberou a violência. Na época a fórmula para o Mortal Kombat desbancar o Street Fighter II foi essa, melhores gráficos (Nintendo) e violência (Sega). Então, é por isso que muitos jogos se sobressaíram no Mega, tenho certeza que a EA não lançou Road Rash no SNES porque a Nintendo chiou, afinal, RR sem violência seria só mais um jogo de corrida de moto... não teria nada de inovador. E se a diversão de um jogo está no “anti-heroísmo”, isso se sobressai diante de bons gráficos. Taí o motivo do Mega se dar bem com alguns jogos.

Rodrigo Justi escreveu:
O primeiro controle, de 3 botões, era horrível. Tente experimentar o segundo, de 6 botões. No meu caso, o único game que salva no SNES que aproveito, é o Top Gear. E que a Nintendo não aproveitou e fez uma vergonhosa versão pro N64 e parou aí.
Era mesmo, e o direcional era pior ainda, jogar Mortal Kombat era um horror, a defesa ficava no pause, e apertando pause o botão C podia se transformar em chute alto ou baixo, um troço assim... Quanto ao Top Gear, ele não era da Nintendo, era da Kemco, as seqüências que teve, Top Gear 2000 e Top Gear 3000 foram muito boas, só não fizeram tanto sucesso quanto ao primeiro, mas nisso a Nintendo não tem nada a ver...

Rodrigo Justi escreveu:
Alguns desses jogos são bons, porém nem todos tem o patamar de clássico. Talvez Zelda, Metroid e os jogos do Mario, o resto foi praticamente esquecido pela Nintendo.
Como não!? A série Punch Out é um super clássico e teve recentemente uma sequência no Wii, Star Fox também, os jogos do Wario que começaram timidamente no game Boy e hoje em dia ele é por muitos mais adorado que o Mario. E Excitebike!? Super clássico, teve seqüência infeliz no Nintendo 64, mas agora lançaram uma maravilhosa! Poutz, vários são clássicos.

Rodrigo Justi escreveu:
O Wii tem jogos feitos pela Nintendo muito legais, como o Wii Sports e outros do gênero, agora como quase não tem jogos de tiro e luta, ou violentos, não agrada a muitos.
Esse é um preço que a Nintendo paga pela política “família” que têm, e isso vem de agora, com o Wii, para ter uma noção, o NES é conhecido no Japão por Famicom, que é a abreviação de Family Computer, o SNES é o Super Famicom. Enfim, com isso, os sedentos por violência, tiro na cabeça, acrescidos de gráficos quase reais (neste caso se aplica a obsessão que eu citei lá em cima) compraram o 360 e o PS3, então quando lançam excelentes jogos mais maduros tipo MadWorld, The Conduit e Resident Evil: The Darkside Chronicles, quase não vendem, porque entre Wii Sports e jogos sangrentos, um pai de família não vai comprar pra seus filhos um jogo violento, vai comprar um coloridinho de esportes, onde seu filho pode se exercitar mesmo dentro de casa jogando, mesmo com gráficos de PlayStation.

Rodrigo Justi escreveu:
Muitos jogos do SNES tem bom som, mas não se comparam aos jogos do Mega, que dá pra notar vários instrumentos ao mesmo tempo. Sonic 3 mesmo é um claro exemplo disso. Sonic CD tem músicas (e vozes!) diferentes para o modo Past e Future, fora o Normal, de cada fase.
Olha, todos os jogos de Mega que joguei tinha sons de nível Master System, musiquinhas que mais pareciam aquelas em formato midi. O Super Nintendo tinha um chip Sony de 13 canais, como já disse podia reproduzir uma orquestra. O mega drive podia fazer isso somente com o auxílio do periférico de CD.

Rodrigo Justi escreveu:
O processsador do SNES era mais rápido?! Tem certeza??? Pesquisou bem antes de dizer isso. Verifique a Wikipedia. O SNES tinha versões de 1,79 a 3,58 MHz, o Mega rodava em 7,67 MHz (Blast Processing!) e é exatamente isso que me chama a atenção no Mega. Um único Spindash do Sonic feito no SNES daria um slowdown interminável num processador da capacidade da metade do Mega.
Você não me entendeu, eu citei as duas vantagens do Mega sobre o SNES, ser oposta à censura e o processador (do Mega) que era mais rápido. E em processador é o único quesito que o SNES peca, quando haviam muito inimigos na tela aconteciam uns slow downs, que passavam rápido, mas incomodava as vezes.

Rodrigo Justi escreveu:
E outra coisa que admiro na Sega na criação do Mega eram a personalização. Ao todo, podemos ter mais de 12 versões oficiais, entre elas CDX, Nomad e similares. E o SNES teve apenas uma ou duas.
Eu não admiraria uma coisa dessas, para mim estão acabando com a memória do Mega, relançando modelos medonhos, somente com jogos na memória, ou parecendo uma sanduicheira, ou com conversões de jogos de celular, com chip de som pior do que já era... o mais bacaninha para mim foi aquele portátil, pena que não se pode botar mais jogos nele, é só os da memória. E eu acho que a Nintendo tem um pensamento parecido com o meu, ela é mais conservadora, prefere deixar descansando a memória do SNES. E Foram três versões, a Japonesa, Super Famicom, a americana que é a mesma que conhecemos no Brasil e aquela mais compacta sem o eject.

Rodrigo Justi escreveu:
E... eu não estou em guerra. Muito pelo contrário. Na verdade, na briga entre o SNES e o Mega, o SNES é o primeiro... a amarelar!
Na verdade guerra dos 1000 dias é um termo que peguei do Doko e do Shion no Cavaleiros do Zodíaco, é tipo uma disputa que nunca vai terminar, até porque já dura a quase 20 anos...
E quanto a amarelar, o único jeito que faz o SNES amarelar é umidade do ar:
Por Rodrigo Justi
Em 31/03/2010 17:03:09
lacmetal escreveu:
Não, não queria que soasse como nervosismo, só não consigo acreditar quando o que falo é deturpado desse jeito, porque não é possível considerar que o SNES não teve clássicos e só teve jogos ruins, isso só acontece com quem quase nunca jogou no SNES e quando jogou deu azar de pegar alguma podrera que console nenhum está livre.
Não disse que os jogos de SNES não prestam, porém foi um sistema pouco aproveitado. Se era tão capaz assim, deveria ter feito muito mais sucesso que o Mega Drive, o que não é verdade. Dado fato a história dos consoles e a guerra Sega x Nintendo.

lacmetal escreveu:
Antes de lançar seus consoles domésticos a Sega produzia arcades, então é natural que suas conversões fossem puras. A Nintendo parou de lançar arcades para centrar o foco no NES e SNES, então os jogos dela iam direto para os consoles. E jogos clonados? Não sei bem de casos para o Super Nintendo, sei de alguns para os consoles da Sega, tipo aquele do Chapolin, ou o da Turma da Mônica... E se os jogos de outras produtoras ficaram bem melhores no Mega Drive, só pode ser porque a Nintendo os censurou, não tem outra explicação, porque o Mega tinha gráficos e sons muito ruins.
Sonic teve um pirata pra SNES, assim como Super Mario para Mega Drive. Quando digo clones, digo jogos muito repetitivos. Não tinha muita variedade. O estilo de jogos era sempre o mesmo. Não se tinha saco pra se zerar um jogo. Por exemplo, o único sucesso em RPG era o Final Fantasy. Nem mesmo Mario RPG era bom. Porém, ao Mega temos Phantasy Star e Shining Force entre outros. A Sega foi bem esperta, já que muitos torravam muito dinheiro em máquinas de arcade, porque não gastar num console e jogar na hora que quisesse. O Mega nunca teve gráficos e sons ruins, muito pelo contrário, as trilhas sonoras eram muito melhor compostas, tinha apenas 1 canal de som menos que o SNES, e o SNES ainda tinha um som meio "oco". Muito ruins eram os gráficos do NES, mas isso não o tornou um projeto fracassado, mas sim um grande console.


lacmetal escreveu:
Na verdade, o marketing que existia naquela época era a propaganda boca-a-boca, isto é, uma criança joga um jogo de NES na casa de um amigo, pede um NES pro pai, conhece mais jogos, empresta para um amigo, que convida outro pra jogar, que compra cartuchos novos, que troca os cartuchos com outro e assim ia. Porque o marketing não te faz consumir algo ruim te fazendo achar bom, se é bom é porque é bom mesmo. Tipo o Nintendo Wii e o DS, são inferiores, mas não creio que seja o Marketing que os faça vender mais, eles vendem porque são legais, assim como o NES era.
Se fosse assim GameCube e Nintendo 64 teriam feito muito mais sucesso.

lacmetal escreveu:
Gráficos sempre foram importantes, o problema é que hoje em dia virou obsessão, se um jogo não beirar o realismo, pessoas nem se interessam por ele... Mas na era 16-bits os gráficos bons eram aqueles limpos e nítidos, onde os personagens era bem animados e com bastante sprites de movimentação. Para você ter uma idéia de como eram importantes, a Nintendo já tinha pronta a seqüência de Super Mario World, que seguiria o mesmo contexto do anterior, só que devido ao grande sucesso da série Donkey Kong, a Nintendo reformulou todinha a parte gráfica e o enredo, assim surgiu o Yoshi’s Island, que precisou até mesmo usar a tecnologia dos chips FX.
O Mega teve muitos jogos (diga-se 98%) deles com gráficos limpos e bons, e com muita animação. Por exemplo, dava-se pra notar as pontinhas dos cabelos de Sonic balançando muito rápido quando ele está correndo pra caramba. E gráficos nem sempre foram importantes, dado fato de que Top Gear foi um bom jogo e tinha gráficos horríveis, era quase tudo quadrado.

lacmetal escreveu:
Essa é uma das minhas teorias sobre as únicas vantagem do Mega sobre o SNES, para explicar vou usar o jogo Mortal Kombat. A versão de SNES foi a mais fiel ao arcade, os gráficos e os sons ficaram incríveis na adaptação, mas a Nintendo censurou o jogo inteiro, mandou tirarem toda a violência e o sangue do jogo. A versão do Mega tinha gráficos inferiores aos do SNES e mais inferiores ainda em relação aos arcades. Mas por que vendeu mais e teve mais sucesso? Porque a Sega liberou a violência. Na época a fórmula para o Mortal Kombat desbancar o Street Fighter II foi essa, melhores gráficos (Nintendo) e violência (Sega). Então, é por isso que muitos jogos se sobressaíram no Mega, tenho certeza que a EA não lançou Road Rash no SNES porque a Nintendo chiou, afinal, RR sem violência seria só mais um jogo de corrida de moto... não teria nada de inovador. E se a diversão de um jogo está no “anti-heroísmo”, isso se sobressai diante de bons gráficos. Taí o motivo do Mega se dar bem com alguns jogos.
Em alguns pontos preciso concordar, MK do SNES tinha uns gráficos um pouco melhores que os do Mega, porém eu joguei e achei que nunca valeu a pena, afinal se um jogo foi feito para ser violento ou não, ele deve o ser até o fim. O que adianta censurar sangue e fatalities, e não censurar socos? A violência é exatamente a mesma. E Road Rash. Se a Nintendo permitiu Killer Instinct e Street Fighter, porque não Road Rash? Ambos não tem violência. A Eletronic Arts planejou lançar Road Rash para SNES somente após ter lançado para 3DO e Sega Saturn. Bons gráficos... Só se pensa em gráficos.


lacmetal escreveu:
Era mesmo, e o direcional era pior ainda, jogar Mortal Kombat era um horror, a defesa ficava no pause, e apertando pause o botão C podia se transformar em chute alto ou baixo, um troço assim...
Porém o controle de 6-botões já foi tentado de ser clonado, e não conseguiram, por isso veio a Sony com seu controle e daí todo mundo tentou copiar dela.

lacmetal escreveu:
Como não!? A série Punch Out é um super clássico e teve recentemente uma sequência no Wii, Star Fox também, os jogos do Wario que começaram timidamente no game Boy e hoje em dia ele é por muitos mais adorado que o Mario. E Excitebike!? Super clássico, teve seqüência infeliz no Nintendo 64, mas agora lançaram uma maravilhosa! Poutz, vários são clássicos.
Se eu for citar os clássicos de Mega que foram lançados em outros consoles ou relançados fico aqui o dia inteiro.

lacmetal escreveu:
Esse é um preço que a Nintendo paga pela política “família” que têm, e isso vem de agora, com o Wii, para ter uma noção, o NES é conhecido no Japão por Famicom, que é a abreviação de Family Computer, o SNES é o Super Famicom. Enfim, com isso, os sedentos por violência, tiro na cabeça, acrescidos de gráficos quase reais (neste caso se aplica a obsessão que eu citei lá em cima) compraram o 360 e o PS3, então quando lançam excelentes jogos mais maduros tipo MadWorld, The Conduit e Resident Evil: The Darkside Chronicles, quase não vendem, porque entre Wii Sports e jogos sangrentos, um pai de família não vai comprar pra seus filhos um jogo violento, vai comprar um coloridinho de esportes, onde seu filho pode se exercitar mesmo dentro de casa jogando, mesmo com gráficos de PlayStation.
Exatamente por isso que elejo o Wii como um dos melhores consoles da Nintendo.

lacmetal escreveu:
Olha, todos os jogos de Mega que joguei tinha sons de nível Master System, musiquinhas que mais pareciam aquelas em formato midi. O Super Nintendo tinha um chip Sony de 13 canais, como já disse podia reproduzir uma orquestra. O mega drive podia fazer isso somente com o auxílio do periférico de CD..
Não chegou a jogar os melhores jogos, somente os primeiros. Experimente jogar jogos mais recentes, como X-Men 2, Sunset Riders, Virtua Racing, Vectorman e jogos do tipo. O Mega Drive tinha 9 canais e mais 3 auxiliares, e tinha um som limpo e que bate, usando chip de FM.

lacmetal escreveu:
Você não me entendeu, eu citei as duas vantagens do Mega sobre o SNES, ser oposta à censura e o processador (do Mega) que era mais rápido. E em processador é o único quesito que o SNES peca, quando haviam muito inimigos na tela aconteciam uns slow downs, que passavam rápido, mas incomodava as vezes.
O SNES peca muito gravemente no quesito velocidade, pois eu joguei muitos jogos de SNES e até num dible no International Super Star Soccer chegava a incomodar. E em jogos de luta... parecia videogames antigos de CD, quando aparecia "loading..."


lacmetal escreveu:
Eu não admiraria uma coisa dessas, para mim estão acabando com a memória do Mega, relançando modelos medonhos, somente com jogos na memória, ou parecendo uma sanduicheira, ou com conversões de jogos de celular, com chip de som pior do que já era... o mais bacaninha para mim foi aquele portátil, pena que não se pode botar mais jogos nele, é só os da memória. E eu acho que a Nintendo tem um pensamento parecido com o meu, ela é mais conservadora, prefere deixar descansando a memória do SNES. E Foram três versões, a Japonesa, Super Famicom, a americana que é a mesma que conhecemos no Brasil e aquela mais compacta sem o eject.
Não disse essas versões. Essas foram lançadas pela Tec Toy, são um caso a parte. Quando citei as versões, quis dizer Nomad, Wondernega, JVC Drive, CDX, SegaCD, 32x e similares. E a Nintendo nem mesmo nunca mais pensou no Super Nintendo, tanto é que nunca mais fizeram comercial algum de algum remake lançado no passado. Os fãs devem ter ficado desapontados.

lacmetal escreveu:
Na verdade guerra dos 1000 dias é um termo que peguei do Doko e do Shion no Cavaleiros do Zodíaco, é tipo uma disputa que nunca vai terminar, até porque já dura a quase 20 anos...
E quanto a amarelar, o único jeito que faz o SNES amarelar é umidade do ar:


Nada faz o Mega amarelar, meu amigo.
Por lacmetal
Em 03/04/2010 14:56:41
Rodrigo Justi escreveu:
Não disse que os jogos de SNES não prestam, porém foi um sistema pouco aproveitado. Se era tão capaz assim, deveria ter feito muito mais sucesso que o Mega Drive, o que não é verdade. Dado fato a história dos consoles e a guerra Sega x Nintendo.

Mas o Super Nintendo fez muito mais sucesso que o Mega, tanto que vendeu bem mais.

Rodrigo Justi escreveu:
Sonic teve um pirata pra SNES, assim como Super Mario para Mega Drive. Quando digo clones, digo jogos muito repetitivos. Não tinha muita variedade. O estilo de jogos era sempre o mesmo. Não se tinha saco pra se zerar um jogo. Por exemplo, o único sucesso em RPG era o Final Fantasy. Nem mesmo Mario RPG era bom. Porém, ao Mega temos Phantasy Star e Shining Force entre outros. A Sega foi bem esperta, já que muitos torravam muito dinheiro em máquinas de arcade, porque não gastar num console e jogar na hora que quisesse.

Ok, entendi agora esse negócio de jogos clonados, e realmente, as softhouses se plagiaram bastante na época do SNES, mas a biblioteca de jogos do SNES é bem maior que a do Mega, então para cada jogo de Mega, o SNES tem uns três e francamente, em contrapartida, do Mega Drive eu só aproveito X-Men 2, Shining Force e os Sonics, mas deixando claro que é uma opinião pessoal, não sou o dono da verdade, dos fatos e nem cheio de soberba. Os tais clássicos da “supremacia” são realmente muito bons, mas nos arcades, não no Mega Drive.
Único Sucesso era o Final Fantasy!!!!??? Hhauahuahuahauuha, perdeu o juízo? E não tinha apenas Final Fantasy, os melhores RPGs da era 16 bits foram os do SNES, quer saber alguns?: Chrono Trigger, Tales Of Phantasia, Secret of Mana, Earthbound, Breath of Fire, Actraiser, Terranigma, Zelda, entre outros, não posso passar o dia todo aqui para citar todos porque paguei só hora na Lan House... e Super Mario RPG ruim? Este jogo tem nota 9.5 na IGN dadas pelos criticos e 9.9 pelos leitores, como pode ser ruim?
Em contrapartida, o Mega teve em destaque apenas Phantasy Star, Shining Force e Landstalker, nenhum daqueles clássicos que eu citei rodariam bem no Mega, por isso são exclusivos do SNES.

Rodrigo Justi escreveu:
O Mega nunca teve gráficos e sons ruins, muito pelo contrário, as trilhas sonoras eram muito melhor compostas, tinha apenas 1 canal de som menos que o SNES, e o SNES ainda tinha um som meio "oco". Muito ruins eram os gráficos do NES, mas isso não o tornou um projeto fracassado, mas sim um grande console.

Não são os canais que definem se o som é bom ou ruim, é o chip de som, o SNES tinha chip da SONY, por incrível que pareça, e é considerado o melhor áudio de todos os consoles da geração 16-bits, e não tinha som oco, nunca ouvi falar uma coisa dessa, pelo contrário, o áudio do SNES sempre foi elogiadíssimo pelas revistas especializadas da década de 90. Li e ouvi falar mal muitas vezes foi do chip de som do Mega Drive, não do áudio dele em si, mas sim comparado ao do SNES mesmo, o problema é que ele quase não tinha diferença do chip do Master System, e esses novos lançamentos da Tec Toy tem som pior ainda. Pode crer, eu mesmo os ouvi, testei a “sanduicheira” em uma loja de games do shopping Iguatemi, só por curiosidade de ver como seria tocar naquela guitarrinha em um 16-bits (y) Mas não me deixaram tocar nela, só deixaram eu jogar um pouco os outros jogos :\

Rodrigo Justi escreveu:
Se fosse assim GameCube e Nintendo 64 teriam feito muito mais sucesso.

E o Dreamcast também, o melhor console que a Sega lançou.

Rodrigo Justi escreveu:
O Mega teve muitos jogos (diga-se 98%) deles com gráficos limpos e bons, e com muita animação. Por exemplo, dava-se pra notar as pontinhas dos cabelos de Sonic balançando muito rápido quando ele está correndo pra caramba. E gráficos nem sempre foram importantes, dado fato de que Top Gear foi um bom jogo e tinha gráficos horríveis, era quase tudo quadrado.

Sim dava pra notar as três pontas da crista do sonic balançando, isso não quer dizer nada. Gráficos foram eram importantes naquela época, do contrário ninguém largaria o NES para jogar Mega Drive. Quando um sucesso migrava dos arcades para os consoles, como os Street Fighters II e os Mortal Kombats os gráficos contavam muito. O SNES superou todos os consoles domésticos nessa migração, tanto em gráficos, som e jogabilidade.

Rodrigo Justi escreveu:
Em alguns pontos preciso concordar, MK do SNES tinha uns gráficos um pouco melhores que os do Mega, porém eu joguei e achei que nunca valeu a pena, afinal se um jogo foi feito para ser violento ou não, ele deve o ser até o fim. O que adianta censurar sangue e fatalities, e não censurar socos? A violência é exatamente a mesma. E Road Rash. Se a Nintendo permitiu Killer Instinct e Street Fighter, porque não Road Rash? Ambos não tem violência. A Eletronic Arts planejou lançar Road Rash para SNES somente após ter lançado para 3DO e Sega Saturn. Bons gráficos... Só se pensa em gráficos.

Um pouco melhores não, muito melhores. A Nintendo permitou o sangue à partir do MK II e no Killer porque entendeu que uma criança ou adolescente não iriam decaptar os amigos depois que jogá-los, mas ao jogar Road Rash, ela pode tr a influência de trapacear, socar os amigos durante uma corrida de bicicleta ou no futebol, enfim. Ela teve seus motivos.

Rodrigo Justi escreveu:
Porém o controle de 6-botões já foi tentado de ser clonado, e não conseguiram, por isso veio a Sony com seu controle e daí todo mundo tentou copiar dela.

O controle do PlayStation foi 100% influenciado pelo do SNES, isso já no tempo que as empresas planejavam lançar um tocador de CDs pro SNES, e o do Mega Drive de 6 botões também, tanto que nos botões extras dele constavam as teclas X e Y.

Rodrigo Justi escreveu:
Se eu for citar os clássicos de Mega que foram lançados em outros consoles ou relançados fico aqui o dia inteiro.

Os jogos citados são considerados clássicos porque se consagraram nos fliperamas, antes de chegar ao Master System ou ao Mega Drive, se ele tivessem sido lançados direto para um dos dois, a Sega teria falido bem antes de lançar o Saturn.

Rodrigo Justi escreveu:
Exatamente por isso que elejo o Wii como um dos melhores consoles da Nintendo.

Eu já não curto muito o Wii, ainda prefiro a moda antiga de se jogar, usando controle.

Rodrigo Justi escreveu:
Não chegou a jogar os melhores jogos, somente os primeiros. Experimente jogar jogos mais recentes, como X-Men 2, Sunset Riders, Virtua Racing, Vectorman e jogos do tipo. O Mega Drive tinha 9 canais e mais 3 auxiliares, e tinha um som limpo e que bate, usando chip de FM.

Já joguei alguns desses e os sons não batem os do SNES.

Rodrigo Justi escreveu:
O SNES peca muito gravemente no quesito velocidade, pois eu joguei muitos jogos de SNES e até num dible no International Super Star Soccer chegava a incomodar. E em jogos de luta... parecia videogames antigos de CD, quando aparecia "loading..."

Engano seu, não havia lentidão no ISSS a velocidade era tranquila, os slowdowns ocorriam quando muitos inimigos enchiam a tela, e eu jouei muitos jogos de SNES e que eu me lembre essa camera lenta de alguns segundos ocorreu apenas em Cemos Crest e Super Mario World, mas não encomodava, até ajudava a pensar rápido e nos livrarmos sos inimigos, eu achava até que era um efeito para nso ajudar, depois que fiquei sabendo do processador.

Rodrigo Justi escreveu:
Não disse essas versões. Essas foram lançadas pela Tec Toy, são um caso a parte. Quando citei as versões, quis dizer Nomad, Wondernega, JVC Drive, CDX, SegaCD, 32x e similares. E a Nintendo nem mesmo nunca mais pensou no Super Nintendo, tanto é que nunca mais fizeram comercial algum de algum remake lançado no passado. Os fãs devem ter ficado desapontados.

A Nintendo não precisou fazer o Super Nintendo sangrar dinheiro como a Sega fez e ainda faz com o Mega Drive, pois a versão compacta do SNES continuou vendendo razoavelmente bem até 2001, e logo após foi substituída pelo GBA, onde muitos dos melhores lançamentos do SNES foram relançados com extras e melhorias. Nada de lançar um portátil com meia dúzia de jogos na memória e sem entrada para cartucho, o que é muita sacanagem.

Rodrigo Justi escreveu:
Nada faz o Mega amarelar, meu amigo.

Ledo engano, o Mega é que é o console amarelão, que ante o poder do SNES precisou do auxílio de periféricos como Mega CD e o 32x para tentar fazer frente, reproduzir gráficos Mode 7, coisa que o SNES já fazia nu e cru. Mas mesmo assim, o console amarelo da Sega não ameaçou o mercado da Nintendo .
Por Rodrigo Justi
Em 03/04/2010 19:59:02
lacmetal escreveu:
Mas o Super Nintendo fez muito mais sucesso que o Mega, tanto que vendeu bem mais.
Isso eu não posso negar, principalmente no Brasil. Isso é porque a Nintendo trabalhou melhor com o Snes no mercado e segurou ele bem mais, aproveitou até a última gota de suor dele.

lacmetal escreveu:
Ok, entendi agora esse negócio de jogos clonados, e realmente, as softhouses se plagiaram bastante na época do SNES, mas a biblioteca de jogos do SNES é bem maior que a do Mega, então para cada jogo de Mega, o SNES tem uns três e francamente, em contrapartida, do Mega Drive eu só aproveito X-Men 2, Shining Force e os Sonics, mas deixando claro que é uma opinião pessoal, não sou o dono da verdade, dos fatos e nem cheio de soberba. Os tais clássicos da “supremacia” são realmente muito bons, mas nos arcades, não no Mega Drive.
Para cada jogo clonado do Mega há três clonados para Snes. Fato. E as conversões dos arcades para o Mega ficaram muito boas, exceto em alguns jogos.

lacmetal escreveu:
Único Sucesso era o Final Fantasy!!!!??? Hhauahuahuahauuha, perdeu o juízo? E não tinha apenas Final Fantasy, os melhores RPGs da era 16 bits foram os do SNES, quer saber alguns?: Chrono Trigger, Tales Of Phantasia, Secret of Mana, Earthbound, Breath of Fire, Actraiser, Terranigma, Zelda, entre outros, não posso passar o dia todo aqui para citar todos porque paguei só hora na Lan House... e Super Mario RPG ruim? Este jogo tem nota 9.5 na IGN dadas pelos criticos e 9.9 pelos leitores, como pode ser ruim?
Em contrapartida, o Mega teve em destaque apenas Phantasy Star, Shining Force e Landstalker, nenhum daqueles clássicos que eu citei rodariam bem no Mega, por isso são exclusivos do SNES.

Dos que você citou, apenas Zelda e Final Fantasy salvo engano tiveram sucesso em outros consoles. Phantasy Star, Landstalker e Shining Force saíram para consoles mais recentes. Ou seja, agradou a mais gerações.

lacmetal escreveu:
Não são os canais que definem se o som é bom ou ruim, é o chip de som, o SNES tinha chip da SONY, por incrível que pareça, e é considerado o melhor áudio de todos os consoles da geração 16-bits, e não tinha som oco, nunca ouvi falar uma coisa dessa, pelo contrário, o áudio do SNES sempre foi elogiadíssimo pelas revistas especializadas da década de 90. Li e ouvi falar mal muitas vezes foi do chip de som do Mega Drive, não do áudio dele em si, mas sim comparado ao do SNES mesmo, o problema é que ele quase não tinha diferença do chip do Master System, e esses novos lançamentos da Tec Toy tem som pior ainda. Pode crer, eu mesmo os ouvi, testei a “sanduicheira” em uma loja de games do shopping Iguatemi, só por curiosidade de ver como seria tocar naquela guitarrinha em um 16-bits (y) Mas não me deixaram tocar nela, só deixaram eu jogar um pouco os outros jogos :\
Os sons do Mega eram muito bons, tinham ritmo e batida, eram melhor compostos e quase nunca se repetiam. Já quanto a sanduicheira, não posso dizer nada sobre ela.

lacmetal escreveu:
E o Dreamcast também, o melhor console que a Sega lançou.
Pois a Sega fez uma tremenda falha de marketing com o Dreamcast, o segundo melhor console da Sega e um console frente ao seu tempo.



lacmetal escreveu:
Sim dava pra notar as três pontas da crista do sonic balançando, isso não quer dizer nada. Gráficos foram eram importantes naquela época, do contrário ninguém largaria o NES para jogar Mega Drive. Quando um sucesso migrava dos arcades para os consoles, como os Street Fighters II e os Mortal Kombats os gráficos contavam muito. O SNES superou todos os consoles domésticos nessa migração, tanto em gráficos, som e jogabilidade..
Você mesmo disse que todos preferem jogar em gráficos limpos. E o Snes tinha uma jogabilidade horrível, os botões mais altos eram inalcançáveis e o direcional era muito duro, e só tinha quatro direções.

lacmetal escreveu:
Um pouco melhores não, muito melhores. A Nintendo permitou o sangue à partir do MK II e no Killer porque entendeu que uma criança ou adolescente não iriam decaptar os amigos depois que jogá-los, mas ao jogar Road Rash, ela pode tr a influência de trapacear, socar os amigos durante uma corrida de bicicleta ou no futebol, enfim. Ela teve seus motivos.
Motivos que ninguém consegue entender. Violência é violência, ou proíbe tudo ou libera geral. CS foi proibido porque "teve as suas razões."



lacmetal escreveu:
O controle do PlayStation foi 100% influenciado pelo do SNES, isso já no tempo que as empresas planejavam lançar um tocador de CDs pro SNES, e o do Mega Drive de 6 botões também, tanto que nos botões extras dele constavam as teclas X e Y.
O controle de 6 botões não pode ter sido influênciado do Snes pois saiu exclusivamente para Street Fighter. Além disso, somente jogos de luta e algumas raridades usam os 6-botões. O controle de 6 botões foi totalmente inspirado no de 3, com melhorias. Veja fotos deles. Só porque tem botões de letras iguais não significa nada. Se significasse, então o controle da Sony foi feito do zero, por usar figuras geométricas ao invés de letras. =/

lacmetal escreveu:
Os jogos citados são considerados clássicos porque se consagraram nos fliperamas, antes de chegar ao Master System ou ao Mega Drive, se ele tivessem sido lançados direto para um dos dois, a Sega teria falido bem antes de lançar o Saturn.
Com certeza que não. O que impulsionou o Mega no mercado foram os arcades, mas os sucessos vieram de jogos proprios. Sonic mesmo nunca saiu no fliperama.

lacmetal escreveu:

Eu já não curto muito o Wii, ainda prefiro a moda antiga de se jogar, usando controle.

Isso é, porém os jogos do Wii são menos violentos. Há 15 anos atrás o mundo era pouco violento, hoje mata-se de graça, e não se deve incentivar a matança.

lacmetal escreveu:
Não chegou a jogar os melhores jogos, somente os primeiros. Experimente jogar jogos mais recentes, como X-Men 2, Sunset Riders, Virtua Racing, Vectorman e jogos do tipo. O Mega Drive tinha 9 canais e mais 3 auxiliares, e tinha um som limpo e que bate, usando chip de FM.
Essa opnião de som é apenas sua, eu mesmo acho os sons do SNES extremamente ocos, e em alguns jogos o som carrega primeiro que a fase (os gráficos) em si.

lacmetal escreveu:
Engano seu, não havia lentidão no ISSS a velocidade era tranquila, os slowdowns ocorriam quando muitos inimigos enchiam a tela, e eu jouei muitos jogos de SNES e que eu me lembre essa camera lenta de alguns segundos ocorreu apenas em Cemos Crest e Super Mario World, mas não encomodava, até ajudava a pensar rápido e nos livrarmos sos inimigos, eu achava até que era um efeito para nso ajudar, depois que fiquei sabendo do processador.
Era um horror aquilo. Muito lento. Parecia MMX no ano de 2002. Eu cheguei a zerar o Tartarugas Ninja e aquelas lentidões atrapalhavam.

lacmetal escreveu:
A Nintendo não precisou fazer o Super Nintendo sangrar dinheiro como a Sega fez e ainda faz com o Mega Drive, pois a versão compacta do SNES continuou vendendo razoavelmente bem até 2001, e logo após foi substituída pelo GBA, onde muitos dos melhores lançamentos do SNES foram relançados com extras e melhorias. Nada de lançar um portátil com meia dúzia de jogos na memória e sem entrada para cartucho, o que é muita sacanagem..
As versões do Mega (principalmente o Genesis 3, até 2003) venderam extremamente bem até que a TecToy meteu a mão no Mega Drive. E quanto a ela, só tenho de expressar desapontamento.


lacmetal escreveu:
Ledo engano, o Mega é que é o console amarelão, que ante o poder do SNES precisou do auxílio de periféricos como Mega CD e o 32x para tentar fazer frente, reproduzir gráficos Mode 7, coisa que o SNES já fazia nu e cru. Mas mesmo assim, o console amarelo da Sega não ameaçou o mercado da Nintendo ..
O Mode 7 era superado pelo SVP com tranquilidade (dentro do Mega tinha SVP, o mode 7 precisava de um circuito integrado no cartucho). E o Blast Processing? E a compatibilidade com CD?

Se a gente for ver bem essa discussão, estamos debatendo opniões. E é até bom, pois eu nunca vi os gamers de gerações mais novas debaterem como nós fazemos até aqui. Pura nostalgia, em certo sentido.
Por lacmetal
Em 05/04/2010 14:43:52
Rodrigo Justi escreveu:
Dos que você citou, apenas Zelda e Final Fantasy salvo engano tiveram sucesso em outros consoles. Phantasy Star, Landstalker e Shining Force saíram para consoles mais recentes. Ou seja, agradou a mais gerações.

Todos foram sucesso, foram clássicos ganharam destaque especial em revistas consagradas do Brasil como Ação Games e Super Game Power e revistas consagradas dos EUA como a EGM. A grande maioria deles foram relançados para GBA, e venderam bem pelo que li. Quanto ao fato de não ganharem seqüência em na nova geração de consoles, acho justo que deixem os clássicos eternizados naquela época 2D e de hardwares mais limitados, lançar continuações pode estragar a memória dos clássicos, como aconteceu em Pitfall, Rock ‘n’ Roll Racing, Bubsy, etc.

Rodrigo Justi escreveu:
Pois a Sega fez uma tremenda falha de marketing com o Dreamcast, o segundo melhor console da Sega e um console frente ao seu tempo.

Gostaria de vê-la lançar um Dreamcast 2, voltando ao mercado dos vídeo-games. Mesmo sabendo que eu perderia a oportunidade ver novamente o Mario e o Sonic em um mesmo jogo, ou perdendo a oportunidade de jogar em um console Nintendo excelentes jogos como Crazy Taxi, Virtua Fighter/Strike/Tennis, Super Monkey Ball, etc...

Rodrigo Justi escreveu:
Você mesmo disse que todos preferem jogar em gráficos limpos. E o Snes tinha uma jogabilidade horrível, os botões mais altos eram inalcançáveis e o direcional era muito duro, e só tinha quatro direções.

A jogabilidade do Super Nintendo era excelente, tanto que quando eu fui conhecer jogos de Mega no Kega, que eu conheço muito pouco, achei horrível pilotar no Road Rash, achei horrível a jogabilidade de Streets of Rage, Golden Axe estava muito pior que nos árcades, e jogos que eu sabia que tinham ótima jogabilidade no SNES como Sunset Riders e Batman Forever estavam regulares.
Essa história dos botões inalcançáveis não pode ser séria, o controle era bem compacto e anatômico, grudava na mão, os botões X e Y ficavam logo acima do B e A, era simples alcançar qualquer um deles, os botões L e R eram tão fáceis e intuitivos de tocar com os indicadores que hoje em dia são botões padrões em todo e qualquer joystick de qualquer console que foi lançado posteriormente. O direcional era um pouco duro mesmo, me deixou com calos até acostumar com ele, mas era mais preciso, como o do Mega ficava sobre um círculo, às vezes ao apertar para baixo o personagem andava para frente, e ás vezes ao apertar pra frente ele abaixava ou pulava. Já no formato de Cruz do SNES era mais preciso, para baixo era para baixo, frente era frente e cima era para cima. Tanto que depois do SNES o formato cruz foi adotado por outros consoles que foram lançados depois, como PlayStation e Dreamcast.

Rodrigo Justi escreveu:
O controle de 6 botões não pode ter sido influênciado do Snes pois saiu exclusivamente para Street Fighter. Além disso, somente jogos de luta e algumas raridades usam os 6-botões. O controle de 6 botões foi totalmente inspirado no de 3, com melhorias. Veja fotos deles. Só porque tem botões de letras iguais não significa nada. Se significasse, então o controle da Sony foi feito do zero, por usar figuras geométricas ao invés de letras. =/

Buenas, realmente, o sucesso de Street Fighter II e Mortal Kombat foi tamanho que se a Sega não lançasse um controle com mais botões teria mesmo problemas. Quanto ao X e Y, na época para mim e muitos parecia imitação, pode não ser, enfim... Mas quanto ao do PlayStation, foi sim inspirado no do SNES, as diferenças foram adicionar mais um botão de L e R, aumentar a parte onde a palma da mão encaixava e mudar as letras por símbolos. Isso foi comprovado que essa inspiração veio daquela parceria falha das duas empresas.

Rodrigo Justi escreveu:
Com certeza que não. O que impulsionou o Mega no mercado foram os arcades, mas os sucessos vieram de jogos proprios. Sonic mesmo nunca saiu no fliperama.

Realmente, os jogos que vinham com os consoles sempre cativavam bastante quem os tinha, o sobrinho da minha namorada tem um DVD da Tec Toy que vem com jogos de Master System na memória, e eu jogo Sonic com eles às vezes. É um joguinho divertido e teve seus méritos, com certeza impulsionou as vendas do Master e Mega.

Rodrigo Justi escreveu:
Era um horror aquilo. Muito lento. Parecia MMX no ano de 2002. Eu cheguei a zerar o Tartarugas Ninja e aquelas lentidões atrapalhavam.

Não pode ser, tava longe de ser um horror. Ou eu e todos que jogavam SNES acostumaram ou o pessoal da Sega acostumado com Sonic preferia tudo na velocidade 5 (créu!)

Rodrigo Justi escreveu:
O Mode 7 era superado pelo SVP com tranquilidade (dentro do Mega tinha SVP, o mode 7 precisava de um circuito integrado no cartucho). E o Blast Processing? E a compatibilidade com CD?

Epa! Você está confundindo as coisas, o Mode 7 era uma tecnologia interna do SNES, tanto que foi muito usada pelos primeiros lançamentos de sucesso do SNES como o Super Mario Kart, Pilotwings, Turn and Burn, Super Castlevania IV, etc. o que precisava de um circuito integrado era os jogos com a tecnologia Super FX, aí sim o cartucho vinha com esse chip, que seria um espécie de “GeForce” acoplada no cartucho e o SVP da Sega foi uma resposta ao Super FX, e lançado somente em 1994, como pode ser interno? Pelo que li, ele vinha nos cartuchos, como Virtua Racing, não? E não teve sucesso porque o cartucho do VR era muito caro, fazendo a Sega não lançar mais nada com a tecnologia SVP. O Mode 7 não era uma tecnologia nativa do Mega Drive, ele não tinha hardware para isso, somente com o periférico Sega CD é que foi possível reproduzir o essa tecnologia, pois no jogo Sonic CD, as fases bônus eram em Mode 7, coisa que deixou os fãs descontentes pois se aquele era o poder do Sega CD, por que o SNES já usava aquilo desde os primórdios? Não estou inventando isso tudo eu li. Blast Processing é um termo usado como referência ao processador do Mega, que realmente era mais rápido que o do SNES. E compatibilidade com CDs o SNES teve, abaixo do SNES tem uma entrada chamada EXT, que ninguém nunca soube aqui no Brasil, que seria para o modem Satellaview e para o periférico de CDs, que não foi lançado, não precisou.
Resumindo, o Mega não tinha SVP interno, ele precisava de circuito integrado no cartucho assim como chip Super FX do SNES, não tinha a capacidade de reproduzir Mode 7 como o SNES fazia, nu e cru, comente com o periférico Sega CD.

Rodrigo Justi escreveu:
Se a gente for ver bem essa discussão, estamos debatendo opniões. E é até bom, pois eu nunca vi os gamers de gerações mais novas debaterem como nós fazemos até aqui. Pura nostalgia, em certo sentido.

Realmente, essa discussão, apesar de misturar fatos com paixão e pontos de vistas distintos, me remetem às minhas discussões com colegas da quarta série do primário, a diferença é que na época era na base do berro e no recreio =D
E uma coisa que sinto falta é vestir a camisa por uma empresa, hoje em dia não creio que exista Sonystas x Microsoftistas (Ou Xboxistas, ou capitalistas, ou Bill Gatistas... não sei como definir um seguidor Microsoft) Mas seguimos o baile sem perder a classe (y)
Por Rodrigo Justi
Em 05/04/2010 17:41:04
lacmetal escreveu:
Todos foram sucesso, foram clássicos ganharam destaque especial em revistas consagradas do Brasil como Ação Games e Super Game Power e revistas consagradas dos EUA como a EGM. A grande maioria deles foram relançados para GBA, e venderam bem pelo que li. Quanto ao fato de não ganharem seqüência em na nova geração de consoles, acho justo que deixem os clássicos eternizados naquela época 2D e de hardwares mais limitados, lançar continuações pode estragar a memória dos clássicos, como aconteceu em Pitfall, Rock ‘n’ Roll Racing, Bubsy, etc.

Mas hoje quase não levam mais destaques. E você mesmo disse que devemos considerar a superioridade. E outra, a maioria dos jogos da Nintendo foi relançada em consoles da própria Nintendo, o que monopoliza as coisas.

lacmetal escreveu:
A jogabilidade do Super Nintendo era excelente, tanto que quando eu fui conhecer jogos de Mega no Kega, que eu conheço muito pouco, achei horrível pilotar no Road Rash, achei horrível a jogabilidade de Streets of Rage, Golden Axe estava muito pior que nos árcades, e jogos que eu sabia que tinham ótima jogabilidade no SNES como Sunset Riders e Batman Forever estavam regulares.
Essa história dos botões inalcançáveis não pode ser séria, o controle era bem compacto e anatômico, grudava na mão, os botões X e Y ficavam logo acima do B e A, era simples alcançar qualquer um deles, os botões L e R eram tão fáceis e intuitivos de tocar com os indicadores que hoje em dia são botões padrões em todo e qualquer joystick de qualquer console que foi lançado posteriormente. O direcional era um pouco duro mesmo, me deixou com calos até acostumar com ele, mas era mais preciso, como o do Mega ficava sobre um círculo, às vezes ao apertar para baixo o personagem andava para frente, e ás vezes ao apertar pra frente ele abaixava ou pulava. Já no formato de Cruz do SNES era mais preciso, para baixo era para baixo, frente era frente e cima era para cima. Tanto que depois do SNES o formato cruz foi adotado por outros consoles que foram lançados depois, como PlayStation e Dreamcast.

Nunca achei a jogabilidade do Snes boa. Fiquei com calos de jogar num único domingo alguns jogos. A única revolução foi os botões de ombro, e reconheço que muitas empresas copiaram. Agora combinar baixo com esquerda ou cima com direita para fazer algum golpe especial no Snes nunca foi tarefa fácil por causa do direcional.


lacmetal escreveu:
O Buenas, realmente, o sucesso de Street Fighter II e Mortal Kombat foi tamanho que se a Sega não lançasse um controle com mais botões teria mesmo problemas. Quanto ao X e Y, na época para mim e muitos parecia imitação, pode não ser, enfim... Mas quanto ao do PlayStation, foi sim inspirado no do SNES, as diferenças foram adicionar mais um botão de L e R, aumentar a parte onde a palma da mão encaixava e mudar as letras por símbolos. Isso foi comprovado que essa inspiração veio daquela parceria falha das duas empresas.
No caso dos botões de ombro sim, eles foram copiados mesmo do SNES até hoje. Porém, os do Mega não eram imitação dos do SNES, cabendo lembrar de que, se o Y e X eram copiados do SNES para o Mega, podemos dizer que A e B poderiam ser copiados do Mega para o SNES da mesma forma. E naquela época, todas as empresas usavam letras para seus botões.


lacmetal escreveu:
Realmente, os jogos que vinham com os consoles sempre cativavam bastante quem os tinha, o sobrinho da minha namorada tem um DVD da Tec Toy que vem com jogos de Master System na memória, e eu jogo Sonic com eles às vezes. É um joguinho divertido e teve seus méritos, com certeza impulsionou as vendas do Master e Mega.
Com certeza, assim como Super Mario teve seus méritos, sempre achei ele um joguinho bom, já joguei no emulador de PS2 e não sosseguei enquanto não o zerei.

lacmetal escreveu:
Não pode ser, tava longe de ser um horror. Ou eu e todos que jogavam SNES acostumaram ou o pessoal da Sega acostumado com Sonic preferia tudo na velocidade 5 (créu!)
Isso é verdade, o que mais me chamava atenção em jogos do Mega era a velocidade de ação, e não os gráficos.

lacmetal escreveu:
Epa! Você está confundindo as coisas, o Mode 7 era uma tecnologia interna do SNES, tanto que foi muito usada pelos primeiros lançamentos de sucesso do SNES como o Super Mario Kart, Pilotwings, Turn and Burn, Super Castlevania IV, etc. o que precisava de um circuito integrado era os jogos com a tecnologia Super FX, aí sim o cartucho vinha com esse chip, que seria um espécie de “GeForce” acoplada no cartucho e o SVP da Sega foi uma resposta ao Super FX, e lançado somente em 1994, como pode ser interno? Pelo que li, ele vinha nos cartuchos, como Virtua Racing, não? E não teve sucesso porque o cartucho do VR era muito caro, fazendo a Sega não lançar mais nada com a tecnologia SVP. O Mode 7 não era uma tecnologia nativa do Mega Drive, ele não tinha hardware para isso, somente com o periférico Sega CD é que foi possível reproduzir o essa tecnologia, pois no jogo Sonic CD, as fases bônus eram em Mode 7, coisa que deixou os fãs descontentes pois se aquele era o poder do Sega CD, por que o SNES já usava aquilo desde os primórdios? Não estou inventando isso tudo eu li. Blast Processing é um termo usado como referência ao processador do Mega, que realmente era mais rápido que o do SNES. E compatibilidade com CDs o SNES teve, abaixo do SNES tem uma entrada chamada EXT, que ninguém nunca soube aqui no Brasil, que seria para o modem Satellaview e para o periférico de CDs, que não foi lançado, não precisou.
Resumindo, o Mega não tinha SVP interno, ele precisava de circuito integrado no cartucho assim como chip Super FX do SNES, não tinha a capacidade de reproduzir Mode 7 como o SNES fazia, nu e cru, comente com o periférico Sega CD.

Reconheço um engano meu, estava me citando aos chips Super FX e Super FX2 além dos outros cinco tipos de chips que os cartuchos precisavam ter internamente para rodar algo decente. E quanto ao Mega usar o Mode 7, era só para as cut-scenes, ou seja só para os videozinhos, as fases em si, com passado e futuro, com musicas para cada tipo de tempo, eram processadas pelo Motorola MC6800 que era usado nos Macs da época e que rodava a 12,5 MHz. E a Nintendo poderia ter construído um periférico de CD para o SNES sim, e ela queria, mas marcou muito e a Sony mesmo decidiu fazer por si.


lacmetal escreveu:
Realmente, essa discussão, apesar de misturar fatos com paixão e pontos de vistas distintos, me remetem às minhas discussões com colegas da quarta série do primário, a diferença é que na época era na base do berro e no recreio =D
E uma coisa que sinto falta é vestir a camisa por uma empresa, hoje em dia não creio que exista Sonystas x Microsoftistas (Ou Xboxistas, ou capitalistas, ou Bill Gatistas... não sei como definir um seguidor Microsoft) Mas seguimos o baile sem perder a classe (y)

Não existe, e nunca existira. Essa época atual acredito eu dificilmente será lembrada com paixão como era as 16-bits.
Por Rakun
Em 05/04/2010 18:24:47
lacmetal escreveu:
não sei como definir um seguidor Microsoft

Chama-se "Otário" Brincadeira, pessoal. Aqui no Brasil chama-se "Caixistas"
Por lacmetal
Em 05/04/2010 19:03:42
Rodrigo Justi escreveu:
Mas hoje quase não levam mais destaques. E você mesmo disse que devemos considerar a superioridade. E outra, a maioria dos jogos da Nintendo foi relançada em consoles da própria Nintendo, o que monopoliza as coisas.

Foram relançados em consoles da Nintendo porque as empresas da época deitaram e rolaram na tecnologia do SNES, como a do Mode 7, então não ocorreu monopólio ou contrato de exclusividade, tendo em vista que eles foram relançados para o GBA, que é praticamente um Super Nintendo portátil. Acontece que lançar esses jogos para o Mega ou um dos seus sucessores, como o Nomad, não seria possível, pois as empresas teriam de recriar os jogos com os recursos que o Mega disponibiliza, o que traria alto custo para um projeto que talvez não fosse tão rentável ou que até mesmo não pagaria seu próprio custo, sendo que do SNES pro GBA seria somente fazer um port, e essa migração é mais fácil e de menos custo.

Rodrigo Justi escreveu:
Nunca achei a jogabilidade do Snes boa. Fiquei com calos de jogar num único domingo alguns jogos. A única revolução foi os botões de ombro, e reconheço que muitas empresas copiaram. Agora combinar baixo com esquerda ou cima com direita para fazer algum golpe especial no Snes nunca foi tarefa fácil por causa do direcional.

Calos eu também tive, e o "baixo com esquerda ou cima com direita", a famosa meia lua, nós fazíamos enrolando a camiseta no dedão! ;D

Rodrigo Justi escreveu:
No caso dos botões de ombro sim, eles foram copiados mesmo do SNES até hoje. Porém, os do Mega não eram imitação dos do SNES, cabendo lembrar de que, se o Y e X eram copiados do SNES para o Mega, podemos dizer que A e B poderiam ser copiados do Mega para o SNES da mesma forma. E naquela época, todas as empresas usavam letras para seus botões.

Mas os botões B e A não vieram do Mega, vieram do Nintendinho:



A Nintendo só adicionou o Y e X acima deles e o L e R acima, nos ombros.

Rodrigo Justi escreveu:
Reconheço um engano meu, estava me citando aos chips Super FX e Super FX2 além dos outros cinco tipos de chips que os cartuchos precisavam ter internamente para rodar algo decente. E quanto ao Mega usar o Mode 7, era só para as cut-scenes, ou seja só para os videozinhos, as fases em si, com passado e futuro, com musicas para cada tipo de tempo, eram processadas pelo Motorola MC6800 que era usado nos Macs da época e que rodava a 12,5 MHz. E a Nintendo poderia ter construído um periférico de CD para o SNES sim, e ela queria, mas marcou muito e a Sony mesmo decidiu fazer por si.

O Mega não usa Mode 7, o Mega CD é que usou, no caso, e apenas para fases bônus do Sonic CD, não sei de outros jogos.
Se a Nintendo soubesse o transtorno que essa "não parceria" com a Sony traria, com certeza ela teria lançado a porcaria do periférico para CDs

Rakun escreveu:
Chama-se "Otário" Brincadeira, pessoal. Aqui no Brasil chama-se "Caixistas"

Hahhahahahahha, dei uma gargalhada aqui no serviço (y)
Por Rodrigo Justi
Em 06/04/2010 16:42:53
lacmetal escreveu:
Foram relançados em consoles da Nintendo porque as empresas da época deitaram e rolaram na tecnologia do SNES, como a do Mode 7, então não ocorreu monopólio ou contrato de exclusividade, tendo em vista que eles foram relançados para o GBA, que é praticamente um Super Nintendo portátil. Acontece que lançar esses jogos para o Mega ou um dos seus sucessores, como o Nomad, não seria possível, pois as empresas teriam de recriar os jogos com os recursos que o Mega disponibiliza, o que traria alto custo para um projeto que talvez não fosse tão rentável ou que até mesmo não pagaria seu próprio custo, sendo que do SNES pro GBA seria somente fazer um port, e essa migração é mais fácil e de menos custo.
Porém uma migração multi-plataforma agrada a mais gente que possui outros consoles.


lacmetal escreveu:
Calos eu também tive, e o "baixo com esquerda ou cima com direita", a famosa meia lua, nós fazíamos enrolando a camiseta no dedão! ;D
Ô direcionalzinho duro, mas tudo bem não podemos condenar uma coisa somente por um ponto negativo.


lacmetal escreveu:

Mas os botões B e A não vieram do Mega, vieram do Nintendinho:



A Nintendo só adicionou o Y e X acima deles e o L e R acima, nos ombros.

Eu não cheguei a dizer isso, somente uma comparação, pois o Mega foi lançado antes do Snes. Por isso que não dá pra dizer que os botões foram copiados, era apenas uma representação, assim como polígonos representam os botões do Playstation.

lacmetal escreveu:
O Mega não usa Mode 7, o Mega CD é que usou, no caso, e apenas para fases bônus do Sonic CD, não sei de outros jogos.
Se a Nintendo soubesse o transtorno que essa "não parceria" com a Sony traria, com certeza ela teria lançado a porcaria do periférico para CDs

Eu disse errado novamente, a palavra "Sonic" era para estar no lugar do Mega. E quanto ao lançamento do CD, a Nintendo, como você mesmo disse, acabou fazendo besteira por não soltar o periférico.
Participe você também! E faça seu comentário no fórum Jogorama
Como colocar minha foto nos comentários ?
O Jogorama está integrado com o sistema do gravatar, por isso para que sua foto apareça basta que você use o seu email que está cadastrado no gravatar.