[Análise] Cuphead

03/10/2017 15:45 por Leandro Alves
Categorias         

Cuphead é um daqueles jogos que me chamou muito a atenção desde a primeira vez que ouvi falar, inicialmente pelo visual afinal ele segue o estilo de um desenho animado da década de 1930, com direito a cores lavadas, grãos de filme, e personagens que seguem o estilo da época. Além disso a trilha sonora é Jazz, bem ao estilo das animações da época, e ajuda a compor o clima.

Foi uma sacada genial, afinal o jogo ganhou um visual atemporal e também muita personalidade.

Screenshot de Cuphead

Screenshot de Cuphead

Screenshot de Cuphead

Mas não é só o visual que é destaque em Cuphead, a grande maioria das fases são batalhas contra chefes, mas também possui umas poucas fases estilo run and gun. Mas independente do tipo da fase, todas elas possuem um nível de dificuldade bem elevado. Geralmente a primeira vez que joga uma fase você não dura muito tempo, mas com o tempo vai aprendendo os ataques e vai melhorando, para dar um incentivo extra quando morre aparece uma barra de progresso que mostra o quão longe você chegou.

A jogabilidade na maior parte do tempo lembra bastante os clássicos Contra, Gunstar Heroes e Metal Slug, inclusive a mira é feita pelo menos analógico usado para movimentar o personagem, e limitada a 8 direções. Em outras fases os protagonistas usam aviões, e o estilo muda para shoot 'em up como em Gradius e R-Type. Um ponto bem positivo é que as fases são bem variadas, você nunca fica com a sensação de que os desafios estão se repetindo.

Screenshot de Cuphead

Screenshot de Cuphead

Normalmente não gosto de jogos difíceis, não tenho paciência para muita repetição, e na maioria das vezes acabo desistindo e passando para outro jogo. Mas o Cuphead consegue ser diferente nesse aspecto, ele é difícil mas justo com o jogador, os inimigos não apelam e a jogabilidade acaba sendo mais cadenciada e estratégica, afinal não basta apenas atacar, como também tem que saber se esquivar e decorar os padrões de ataque dos inimigos.

As fases em si são curtas, geralmente tem menos de três minutos de duração, mas o normal é jogar cada uma dezenas de vezes, até pegar o jeito e conseguir passar.

É possível jogar em dois jogadores, mas apenas local, nesse caso um jogador controla o Cuphead e o outro o Mugman. Quando um jogador morre é possível salvá-lo, desde que seja rápido o suficiente, basta o seu parceiro fazer um movimento de parry em cima do fantasma do personagem.

Screenshot de Cuphead

Screenshot de Cuphead

Screenshot de Cuphead

Cuphead é um jogo nostálgico em vários sentidos, desde o visual e trilha sonora vintage, até usar os gêneros run and gun e shoot 'em up, afinal ambos andam meio esquecidos atualmente. A dificuldade elevada pode intimidar muitos jogadores, mas acaba sendo uma experiência divertida entender como o inimigo ataca, para ir melhorando na estratégia até que finalmente consegue passar de fase.

Nota: 5/5 - Excelente

Ficha Técnica
Título: Cuphead
Plataformas: PC (que foi a versão analisada) e Xbox One
Desenvolvedora: Studio MDHR Entertainment
Distribuidora: Studio MDHR Entertainment
Preço: R$ 36,99 no Steam ou GOG.com, R$ 77,45 na Microsoft Store (cross-buy entre Xbox One e Windows 10)
Prós: O visual e trilha sonora são maravilhosos e muito marcantes, os chefes são bem variados e tem muito carisma, desafiador mas também é recompensador.
Contras: Dificuldade elevada pode incomodar e irritar muitos jogadores, controles não são muito amigáveis, não está disponível em português.


Receba mais sobre "[Análise] Cuphead" e outros assuntos interessantes gratuitamente no seu e-mail.
Não se esqueça de confirmar seu cadastro, basta clicar no link que será enviado para seu e-mail.
Ou se preferir você pode receber por RSS ou pelo Twitter.


Compartilhe a notícia: